A vez delas! Mulheres mantém o Brasil no topo do UFC

Cyborg (esq) e Amanda (dir) são campeãs do UFC (Foto: Reprodução/Instagram UFC Brasil)

Cyborg (esq) e Amanda (dir) são campeãs do UFC (Foto: Reprodução/Instagram UFC Brasil)

Anderson Silva, José Aldo, Vitor Belfort… Nada disso. No UFC, o Brasil está representando entre o seleto grupo de campeões pelas mulheres: Amanda Nunes, no peso galo, e Cris Cyborg, no peso pena, são as únicas donas de cinturão do país no Ultimate. Com a vitória de Cyborg e as derrotas do desafiante Demian Maia, no UFC 214, além do revés sofrido por José Aldo no UFC 212, as meninas se firmaram como principais representantes do país no MMA.

Veja Também

C. Cyborg é a nova campeã peso pena do UFC (Foto: Reprodução Facebook UFC)
UFC 214: Cyborg vence Evinger por nocaute e conquista o cinturão peso pena

Cyborg nocauteou Evinger no R3 (Foto: Reprodução/ Facebook UFC)
Vídeo: Assista o nocaute que rendeu o cinturão do UFC a Cris Cyborg

C. Cyborg é a nova campeã peso pena do UFC (Foto: Reprodução Facebook UFC)
Após Amanda, Cyborg coloca brasileiras no topo do UFC e avisa: ‘Vou manter o título’

Esse cenário, no entanto, era pouco provável há alguns anos. O presidente do UFC, Dana White, chegou a declarar que nunca iria admitir duas mulheres se enfrentando no maior evento do mundo. Tudo mudou quando Ronda Rousey, com seu carisma e ferocidade, começou a ganhar notoriedade no Strikeforce. Após o Ultimate comprar o evento rival, White foi obrigado a engolir suas palavras e abriu caminho para o MMA feminino dentro de sua companhia.

A partir daí, as mulheres passaram a ter um caminho para vencer o preconceito que ainda rondava o esporte, tido como exclusivamente masculino. Com batalhas emocionantes, campeãs dominantes e atletas talentosas, o MMA feminino cresceu e apareceu no UFC. E as brasileiras entraram na onda, ajudando o esporte a chegar ao ponto de hoje, onde alguns dos maiores eventos da história do Ultimate foram liderados por elas – casos do UFC 200, quando a brasileira Amanda Nunes faturou o cinturão peso galo, e depois no UFC 207, evento que solidificou a Leoa como dona da divisão após vitória arrasadora e cima de Rousey.

Hoje, o Brasil manda no MMA feminino. Das três categorias de mulheres do UFC, duas são comandadas por brasileiras. Isso sem contar que o peso palha, a polonesa Joanna Jedrzejczyk, atual campeã da divisão, tem duas brazucas em sua cola: Cláudia Gadelha e Jéssica Andrade.

A própria Amanda já tinha sua história escrita no UFC antes mesmo de se tornar dona do cinturão até 61 kg. Isso porque a baiana foi a primeira mulher brasileira a conquistar uma vitória no octógono – ela venceu a alemã Sheila Gaff no UFC 163, em agosto de 2013, no Rio de Janeiro. Um mês antes, Jéssica Bate-Estaca, outra estrela em ascensão do MMA feminino do Brasil, havia iniciado a trajetória das mulheres brasileiros no Ultimate com derrota diante de Liz Carmouche.

 

Para enaltecer ainda mais os feitos das mulheres, o SUPER LUTAS preparou um especial para apresentar ao grande público as estrelas femininas do MMA nacional.

1) A ‘imbatível Cris Cyborg 

C. Cyborg é a nova campeã peso pena do UFC (Foto: Reprodução Facebook UFC)

C. Cyborg é a nova campeã peso pena do UFC (Foto: Reprodução Facebook UFC)

Considerada por muitos como a melhor lutadora de MMA de todos os tempos, Cyborg finalmente chegou ao topo do UFC. O cinturão peso pena conquistado no último sábado (29), quando nocauteou Tonya Evinger, serve para corar uma carreira repleta de conquistas, incluindo os títulos do Invicta FC e o extinto Strikeforce.

Invicta há 19 lutas, a atleta da Chute Boxe não sabe o que é perder desde 2005, quando foi superada em sua estreia como profissional. De lá para cá, são 18 vitórias e uma luta sem resultado. O que chama atenção, além dos números impressionantes, é a forma como Cyborg ‘atropelou’ suas adversárias: são 16 nocautes a somente dois triunfos por pontos. No Ultimate, já são três resultados positivos, o primeiro em sua divisão de origem – os dois primeiros foram em peso casado, até 63,5kg.

“Estou no melhor momento da minha carreira. Sei exatamente aonde quero atacar e como quero chegar à vitória. Este é o fim de um capítulo e o começo de outro na minha carreira. Holly Holm, Megan Anderson, são boas lutadoras, mas agora quero treinar e manter o meu título”, declarou Cyborg, que chegou ao seu terceiro título mundial.

2) Amanda Nunes, a pioneira

Amanda tem o cinturão dos galos (Foto: Reprodução/Facebook UFC)

Amanda tem o cinturão dos galos (Foto: Reprodução/Facebook UFC)

A baiana Amanda Nunes já era conhecida do público norte-americano por suas participações no Strikeforce. Mas foi em sua estreia pelo UFC que ela começou a cavar seu nome entre os fãs brasileiros. Com uma vitória arrasadora sobre Sheila Gaff, a Leoa iniciou uma trajetória de sucesso na companhia, interrompida brevemente por uma derrota para Cat Zingano. Desde então, porém, Amanda só acumulou vitórias, uma mais violenta do que a outra.

Após nocaute técnico por chutes baixos contra Shayna Baszler, a brasileira conquistou triunfos importantes sobre Sara McMann e Valentina Shevchenko, se credenciando para disputar o título no histórico UFC 200. E Amanda conquistou o cinturão de forma decisiva: depois de deixar a então campeã Miesha Tate tonta com excelentes sequências de boxe, a baiana finalizou “Cupcake” no primeiro round.

A coroação definitiva veio cinco meses depois. Diante da lutadora mais conhecida do mundo, Ronda Rousey, Amanda teve sua performance mais admirável, não dando chances para a norte-americano e conseguindo um nocaute brutal em apenas 48 segundos. A Era da Leoa começava oficialmente.

O único porém da trajetória de Amanda parece ser a parte física, que foi testada contra Shevchenko e quase lhe custou a vitória. Pois a revanche entre as duas promete resolver essa questão em torno do estilo da brasileira. Elas se enfrentariam no UFC 213, mas Nunes adoeceu no dia do evento e a luta foi remarcada para o UFC 215. Em setembro, a Leoa terá a chance de calar os poucos críticos que ainda restam.

3) Claudinha Gadelha e Jessica Bate-Estaca em busca do ouro 

Brasileiras irão se enfrentar em setembro (Foto: Reprodução Instagram claudiagadelhaufc)

Brasileiras irão se enfrentar em setembro (Foto: Reprodução Instagram claudiagadelhaufc)

Além de Cyborg e Amanda, mais duas brasileiras vêm brilhando no octógono. Trata-se de Claudinha Gadelha e Jéssica Bate-Estaca, atletas da categoria peso palha. Embora nunca tenham conquistado o cinturão do UFC, as duas já tiveram a oportunidade de lutar pelo título. No entanto, ambas foram derrotas pela campeã Joanna Jędrzejczyk, que segue reinando até 52kg.

Curiosamente, os caminhos de Gadelha e Bate-Estaca, 1ª e 4ª no ranking, vão se cruzar: as duas fazem um confronto 100% brasileiro no UFC Japão, dia 23 de setembro. A vitoriosa ficará próxima de uma nova oportunidade de disputar o cinturão, especialmente se a felizarda for Claudinha, que trava uma rivalidade acirrada com a polonesa.

Além da dupla, vale ficar de olho em outros nomes, como as invictas Ketlen Vieira e Viviane Sucuri, além da recém contratada Poliana Botelho, atleta da Nova União, e até mesmo Bethe Correia, que já enfrentou a estrela Ronda Rousey.

4) Ex-campeões em baixa 

Aldo perdeu o cinturão em junho passado (Foto: Reprodução/Facebook UFC)

Aldo perdeu o cinturão em junho passado (Foto: Reprodução/Facebook UFC)

Se as mulheres vivem fase iluminada, não se pode dizer o mesmo dos homens. Principais representantes do Brasil em um futuro não muito distante, os ex-campeões José Aldo, Renan Barão, Vitor Belfort, Anderson Silva, Junior Cigano e Fabrício Werdum não atravessam um bom momento.

Os casos de Anderson, Aldo e Barão são os mais emblemáticos, até mesmo pela semelhança dos casos. Os três se mantiveram invictos por muito tempo, mas entraram em um inferno astral após perderem a primeira no UFC. De 2013 para cá, desde que batido duas vezes por Chris Weidman, o Spider venceu apenas uma das seis lutas realizadas. Aldo, por sua vez, foi nocauteado em 13 segundos por Conor McGregor, se recuperou vencendo Frankie Edgar, mas foi novamente nocauteado, dessa vez por Max Holloway.

No caso de Barão, os resultados são alternados, mas as perfomances do ex-campeão dos galos estão cada vez mais apáticas – nas últimas seis pelejas, são quatro reveses e dois triunfos. Situação parecida com a de Vitor Belfort, que foi nocauteado em quatro de seus seis combates mais recentes.

Os pesos pesados Cigano e Werdum, assim como os compatriotas citados, também não vivem fase positiva. Vai Cavalo vem de derrota para Alistair Overeem, enquanto Dos Santos foi nocauteado por Stipe Miocic. Ao que tudo indica, vai demorar para um dos dois ter a oportunidade de voltar ao topo.

 

*Colaborou João Vitor Xavier

Source: Portal da Luta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *