Ex-campeão de boxe critica McGregor: ‘Maior babaca que conheci’

C. McGregor (esq) em sparring com P. Malinaggi (dir) Foto: Reprodução Twitter thenotoriousmma

C. McGregor (esq) em sparring com P. Malinaggi (dir) Foto: Reprodução Twitter thenotoriousmma

Paulie Malinaggi, ex-campeão mundial de boxe, foi chamado para participar dos treinamentos de Conor McGregor para a superluta com Floyd Mayweather, mas foi surpreendido após duas sessões de sparring, com fotos vazadas pela internet que insinuavam que ele havia perdido feio para o irlandês. Após deixar oficialmente o camp de treinos do campeão do UFC, Malinaggi criticou duramente o lutador, chamando-o de o “maior babaca que já conheci”.

Veja Também

C. McGregor em sparring com P. Malinaggi (Foto: Reprodução Instagram ginger_bread_photos)
Ex-campeão de boxe se irrita com McGregor por imagem vazada

Jones falou bem do rival na entrevista pós-luta (Foto: Reprodução/Facebook UFC)
Jon Jones explica elogios a Cormier após vitória na revanche

T. Woodley (foto) machucou ombro (Foto: Reprodução Facebook UFC)
Machucado, Woodley promete ‘guerra’ caso UFC crie título interino

Em entrevista ao programa The MMA Hour, o ex-campeão, que se aposentou neste ano, detalhou aspectos dos treinos dos dois, elogiou a forma de Conor, mas disse que ele não tem se colocado em situações difíceis.

“Ele é um babaca, só trabalha bem quando as coisas estão acontecendo para ele. No momento que ele se sente desconfortável, ele não vai bem. Por exemplo, contra Nate Diaz, quando ele tentou quedar um faixa-preta de jiu-jitsu. Ele não gosta de adversidade. As pessoas procuram uma maneira de desistir quando não estão bem e ele é assim (…) No segundo sparring, ele trouxe Dana White, Lorenzo Fertitta, seu próprio agente, todas essas pessoas só para que falassem como ele está bem e às minhas custas (…) Ele é o maior babaca que já conheci. Sinceramente, eu não vou me importar se nunca mais ver ou falar com Conor McGregor”, disparou Malinaggi, que falou sobre as duas sessões de sparring que teve com McGregor.

“Entre as duas sessões eu fiz trabalhos de condicionamento físico e como fui lutador de boxe por 20 anos, os instintos começaram a aparecer novamente na segunda sessão. Ele melhorou de uma sessão para outra, mas eu melhorei muito mais. Ele começou bem, nos primeiros cinco rounds, foi bem, mas depois começou a ficar mais fácil acertá-lo. A partir do sétimo assalto, conseguia acertá-lo bem. E acho que eles entenderam que eu iria melhorar cada vez mais e ele apanharia durante o resto do período de treinamento”, comentou.

Source: Portal da Luta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *