Após um ano sem lutar, Durinho garante evolução e não esconde o jogo: ‘É botar para baixo e finalizar’

Durinho precisa vencer para voltar a almejar o topo da categoria – Foto: Divulgação

A menos de 10 dias de completar um ano de sua última luta, Gilbert Durinho sobe ao octógono para enfrentar Jason Saggo, em Pittsburgh, EUA. Mas se engana quem pensa que, devido ao período sem lutar, o brasileiro esteja enferrujado. Em entrevista ao PVT, o peso leve do UFC garantiu que o hiato serviu para sua evolução como lutador de MMA e isso será visto neste sábado.

“Foi muito proveitoso para melhorar a parte técnica, eliminar alguns erros, vícios… Treinei muito boxe, muito wrestling, muito Jiu-Jítsu, caprichei na preparação física e estou bem preparado para esta luta, bem focado. O Jason Saggo é um cara duro, mas o jogo bate por causa do Jiu-Jítsu, e eu pretendo fazer muito Jiu-Jítsu e wrestling nesta luta. A estratégia é botar ele para baixo e finalizar”, revela Durinho.

Morando na Flórida, onde treina na Combat Club, o brasileiro aproveitou a passagem do Furação Irma para antecipar sua chegada à cidade da luta juntamente com o treinador Henry Hooft e alguns companheiros de treinos que também lutam no card de sábado.

“Tivemos que chegar antes para evitar o furacão. Só esses últimos dias que a gente treinou aqui em Pittsburgh. Fora isso, o camp foi como o programado. Estamos com uma equipe boa… Dos que eram da Blackzilians estão Kamaru Usman, Michael Johnson, Robbie Lawler, Nik Lentz, Daniel Straus, meu irmão Herbert, além do Luke Rockhold, que está na AKA, mas vai treinar com a gente direto”.

Parceiro de treinos de Gilbert Durinho, Kamaru Usman enfrenta Serginho Moraes no mesmo evento. Velho conhecido do compatriota desde a época das competições de Jiu-Jítsu, Durinho vê uma luta complicada para ambos, mas indica um leve favoritismo ao atual companheiro.

“Ele (Kamaru Usman) é faixa-marrom. De dois, três anos para cá foi um dos caras que mais evoluiu na academia. O Jiu-Jítsu dele é muito bom, ele é um cara bem malandro no Jiu-Jítsu, é um wrestler que sempre gostou de rolar, ele faz guarda, joga por baixo, joga por cima, evoluiu muito na parte em pé, é solto, um africano muito forte, tem um condicionamento bom e é uma luta difícil para o Serginho.

O Kamaru é um pouco favorito nesta luta. O Serginho também é muito perigoso, tem um Jiu-Jítsu de altíssimo nível, mas no MMA o Kamaru é um pouco melhor pela força, pelo wrestling… É uma luta difícil, mas o Kamaru entra com a vantagem”, analisa.

Aos 31 anos de idade, Gilbert Durinho está indo para a sexta luta desde que chegou ao UFC, em julho de 2014. Apesar de ter um início de trajetória embalado por três vitórias consecutivas, sua fase atual não é das melhores, já que perdeu duas das últimas três lutas.

UFC Fight Night 116

Pittsburgh, EUA

Sábado, 16 de setembro de 2017

CARD PRINCIPAL (a partir de 23h, horário de Brasília):
Peso-médio: Luke Rockhold x David Branch
Peso-meio-médio: Hector Lombard x Anthony Smith
Peso-leve: Gregor Gillespie x Jason Gonzalez
Peso-meio-médio: Kamaru Usman x Serginho Moraes
Peso-pesado: Justin Ledet x Azunna Anyanwu

CARD PRELIMINAR (a partir de 19h30, horário de Brasília):
Peso-leve: Tony Martin x Olivier Aubin-Mercier
Peso-pesado: Anthony Hamilton x Daniel Spitz
Peso-médio: Krzysztof Jotko x Uriah Hall
Peso-galo: Luke Sanders x Felipe Sertanejo
Peso-leve: Jason Saggo x Gilbert Durinho

O post Após um ano sem lutar, Durinho garante evolução e não esconde o jogo: ‘É botar para baixo e finalizar’ apareceu primeiro em Portal do Vale Tudo.

Source: Portal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *