Tyron Woodley diz que quer lutar contra o vencedor da luta principal do UFC 217

Foto: Getty Images

Foto: Getty Images

Apesar de grandes nomes dos meio-médios, como Rafael dos Anjos e Colby Covington, Woodley diz que nenhum desses é desafiador o suficiente para ele querer lutar. O americano de 35 anos faz planos para lutar contra o vencedor da luta principal do UFC 217, que será disputado entre Michael Bisping e Georges St. Pierre, que vale o cinturão dos médios.

O atual campeão da categoria disse em um podcast (Anik and Florian) que não vê nenhum desafio que será tão rentável quanto mudar de categoria, disse também que seu currículo poderá conceder od ireito de realizar essa luta:

“Eu acho que o meu próximo oponente será o vencedor entre Bisping e Georges St-Pierre. Acho que essa deve ser minha próxima luta. Sendo vitorioso, acho que vocês vão me ver mudar para uma divisão diferente. É difícil para eu falar, porque se você pegar no ranking o primeiro, o segundo e o terceiro, eu já os bati. Venci o um, dois, três e cinco. Kelvin Gastelum e Johny Hendricks estavam nesse meio e eu os venci também. Bati o Tarec Saffiedine, que já foi removido do ranking e Dong Hyun Kim que também não aparece mais na lista.

As pessoas têm uma memória curta do meu currículo e a minha habilidade de finalização. Eu tenho 18 vitórias, 11 são por finalização e nove delas no primeiro round. Quando você luta com os primeiros colocados do ranking, o que poucos campeões estão fazendo ultimamente, você enfrente os Stephen Thompsons, os Demian Maias e essas lutas não vão ser rentáveis. Muitas vezes, lá para o quarto round a luta fica decisiva. É como um boliche, nem tudo é um ‘strike’, você precisa ser capaz de conseguir um ‘spare’ também”.

É bem improvável que essa luta aconteça, Woodley se recupera de uma lesão no ombro, e a divisão possui um vencedor interino, que é Robert Whittaker. Então o vencedor do evento 217 terá que vencer Whittaker primeiramente.

The post Tyron Woodley diz que quer lutar contra o vencedor da luta principal do UFC 217 appeared first on MMA Space.

Source: Space

Rio de Janeiro sedia maior competição de Jiu-Jitsu da América Latina no próximo mês; saiba

Entre os dias 10 e 12 de novembro, o Rio de Janeiro receberá a maior competição de Jiu-Jitsu da América Latina e uma das maiores do mundo. A Cidade Maravilhosa abrigará o Abu Dhabi Grand Slam Jiu-Jitsu 2017-2018, que, além do Brasil, sedia etapas no Japão, Estados Unidos, Inglaterra e Emirados Árabes Unidos. O torneio, que já conta com cerca de três mil inscritos, distribuirá 125 mil dólares em premiações.

Organizado em parceria pela Federação Brasileira de Jiu-Jitsu (FBJJ) e a Federação de Jiu-Jitsu dos Emirados Árabes Unidos (UAEJJF), a disputa fluminense do Abu Dhabi Grand Slam será realizada na Arena Carioca 1, no Parque Olímpico da Barra, na Zona Oeste do Rio.

O torneio é aberto para todas as nacionalidades e faixas, nas categorias juvenil, adulta, master e lendas. Além de prêmios em dinheiro, a competição bonificará os melhores atletas com pontos para o ranking geral da organização e medalhas para os primeiros colocados.

Na categoria ‘Lendas’, que foi introduzida nesta temporada do Grand Slam, veteranos da arte suave se enfrentam em ‘superlutas’. Dessa vez, o confronto será marcado por um duelo de pesos-pesados: Carlão Barreto x Rafael Carino.

As inscrições para Abu Dhabi Grand Slam Jiu-Jitsu estão abertas e podem ser feitas através do site da FBJJ (aqui) até o dia 3 de novembro.

“A etapa do Abu Dhabi Grand Slam Rio de Janeiro será um marco para artes marciais do Brasil. Teremos uma megaestrutura montada na Arena Carioca. Será um verdadeiro festival do Jiu-Jitsu, onde reuniremos os melhores competidores da arte suave do país”, disse Walter Mattos, presidente da FBJJ.

Serviço
 
Abu Dhabi Grand Slam Jiu-Jitsu World Tour – Rio de Janeiro
Data: 10, 11 e 12 de novembro
Local: Arena Carioca 1 (Parque Olímpico da Barra)
Inscrições: www.fbjj.org.br

Source: Tatame

Apesar da derrota, Lyoto Machida volta ao ranking peso médio do UFC

Lyoto voltou ao ranking dos médios (Foto:Reprodução/Youtube UFC)

Lyoto voltou ao ranking dos médios (Foto:Reprodução/Youtube UFC)

Nocauteado por Derek Brunson em seu retorno ao octógono após 28 meses afastado, Lyoto Machida ficou com um gosto amargo em sua volta ao UFC. No entanto, apesar do revés, o brasileiro recebeu, nesta terça-feira (31), uma boa notícia: seu nome voltou a aparecer no ranking da divisão dos médios: agora, é o número 13 na lista, na frente apenas do norte-americano Brad Tavares e seu compatriota Thiago Marreta. Brunson, por sua vez, subiu uma posição e está em 6º, ultrapassando Anderson Silva.

Veja Também

L. Machida foi nocauteado no UFC São Paulo (Foto: Reprodução Facebook UFC)
Após nocaute, Lyoto recebe suspensão médica de 60 dias

D. Maia falou sobre derrota de sábado (28) (Foto; Reprodução Facebook UFC)
Demian emite comunicado após derrota no UFC São Paulo

Colby Covington, grande destaque do evento, em virtude da vitória sobre Demian Maia e as declarações agressivas contra o público brasileiro, também tem motivos para comemorar. O bad boy norte-americano subiu quatro posições no ranking meio-médio e foi para a quarta posição, deixando para trás nomes como Carlos Condit, Rafael dos Anjos, Jorge Masvidal e Demian Maia, que perdeu dois lugares e caiu para quinto.

Mais dois brasileiros se deram bem na atualização do ranking. O peso leve Francisco Massaranduba, que bateu Jim Miller na decisão, voltou ao 15º lugar do raking até 70kg. Situação idêntica ao do peso mosca Deiveson Figueiredo, que aparece na mesma posição de sua divisão após tirar a invencibilidade de Jarred Brooks.

Source: Portal da Luta

Colby cita ataques contra ele como ‘justificativa’ e dispara contra Libório: ‘E uma piada’; saiba

No último sábado (28), durante o UFC São Paulo, Colby Covington causou uma enorme polêmica, ao chamar o Brasil de “chiqueiro” e as pessoas de “animais imundos”, ainda no octógono, após vencer Demian Maia. O lutador dos Estados Unidos, na noite de segunda-feira (30), deu entrevista ao The MMA Hour e revelou que, antes de entrar no cage, estava sendo ofendido por torcedores no ginásio do Ibirapuera.

“Eu simplesmente não gostei de como eles me trataram quando eu estava no túnel antes de ir para a luta. Estava sentado no túnel e eles gritavam todas essas coisas: “Oh, eu com*** sua mãe”, isso e aquilo. Coisas sobre mim: “Oh, você vai morrer”. Atirando copos e outras coisas como cachorros-quentes”, apontou o meio-médio, afirmando que foi desrespeitado.

“Você precisa me respeitar. Estou indo em uma luta, isso é profissional. Então, eu simplesmente me sentia desrespeitado por eles (torcida brasileira). Não disse nada que fosse muito estranho. A maneira como eles tratam as pessoas lá, você não pode fazer isso no Canadá. Você não pode fazer isso nos EUA. Você não vai ouvir toda multidão fazendo coisas assim e as coisas que eles fazem. Então, eu não acho que falei nada demais”, disse.

Covington afirmou que estava arrumado para ir a coletiva de imprensa após o evento, mas o Ultimate vetou a sua participação e o encaminhou para o hotel. O lutador, inclusive, contou que ficou isolado, sem contato com ninguém até o dia de regressar à Oregon, nos Estados Unidos. Sobre a luta, o atleta da ATT contou que foi “divertido”, mas não pretende mais lutar no Brasil.

“Foi louco, cara. A experiência, foi incrível. Você sabe, eu amo isso. Eu sabia que estava indo a um território hostil. Eu sabia que eles ficariam realmente tristes, haveria muitas pessoas chateadas depois que eu batesse no Demian. Eu esperava isso. Foi incrível, cara. Foi um momento divertido. Eu sou atleta do UFC. Eu irei aonde o UFC quiser que eu vá. Mas, provavelmente, não farei uma aparição no Brasil”, contou.

Colby ataca Libório e brasileiros da ATT

Ainda na segunda-feira, Ricardo Libório, brasileiro e um dos fundadores da American Top Team, anunciou a saída oficial da equipe, alegando a falta de respeito dentro do esporte. Em resposta, ao site Bloody Elbow, o falastrão americano disparou contra o faixa-preta de Jiu-Jitsu do lendário Carlson Gracie.

Colby Covington atacou os companheiros de treinos na ATT e Ricardo Libório (Foto: Getty Images)

“Ricardo Libório é uma piada. Esse cara saiu da ATT há dois, três anos. Esse cara é uma completa piada tentando usar meu nome, minha fama e essa coisa com o Brasil para fazê-lo parecer um cara bom da ATT. Ele saiu da ATT há um tempo. Estava usando Dan Lambert, dono da ATT. Ele recebeu seus salários por dois ou três anos sem nunca aparecer para trabalhar. É um vigarista desprezível e está agindo como um pedaço de m*** tentando usar meu nome para aparecer”, disparou, que aproveitou para atacar Antônio Pezão e Amanda Nunes, ambos da American Top Team, que usaram as redes sociais para se manifestarem.

“Não ligo para Amanda Nunes, nem para (Antônio) Pezão. Eles não são meus amigos, nunca foram meus amigos e nunca serão meus amigos. Não é um time, não sou parte de um time. Não estamos em um sistema de pontuação como no basquete ou futebol, onde é um time. Este é um esporte individual. Eu represento a American Top Team, mas não represento nenhum outro lutar da academia”, contou ao MMA Junkie.

Source: Tatame

Woodley garante que enfrentará o vencedor de Bisping x St-Pierre

Woodley não luta desde julho deste ano (Foto Reprodução/Youtube UFC)

Woodley não luta desde julho deste ano (Foto Reprodução/Youtube UFC)

Sem lutar desde julho deste ano, quando defendeu o cinturão dos meio-médios pela terceira vez ao derrotar Demian Maia por pontos, Tyron Woodley ainda não tem data e adversário definidos para voltar ao octógono, mas o campeão já começou a planejar seu retorno. E engana-se quem pensa que a intenção é colocar seu título em jogo. De acordo com ele, seu próximo desafio será definido neste sábado, dia 4 de novembro, quando Michael Bisping e Georges St. Pierre se enfrentam na luta principal do UFC 217.

Veja Também

Erick quer enfrentar Colby em 2018 (Foto:reprodução/Facebook ErickSilva)
Em meio à polêmica, Erick Silva desafia Covington: ‘Quero chutar a sua bunda’

Covington esnobou as criticas recebidas por brasileiros (Foto: Reprodução/Instagram UFCBrasil)
Covington desdenha de brasileiros de sua equipe: ‘Não são meus amigos’

“Acho que o meu próximo adversário será o vencedor de Bisping e Georges St-Pierre. Essa será a minha próxima luta. Acho que vocês vão me vê subir de categoria para enfrentar o vencedor dessa luta”, declarou Tyron em entrevista ao ‘Anik and Florian Podcast’.

Apesar da declaração de Woodley, Dana White, presidente do UFC, já garantiu que o campeão até 77kg deve enfrentar o vencedor de Rafael dos Anjos e Robbie Lawler, que se enfrentam no UFC Winnipeg, dia 16 de dezembro.

Woodley, de 35 anos, tem um histórico profissional de 18 vitórias, um empate e três derrotas. O norte-americano conquistou o cinturão da categoria ao nocautear Robbie Lawler, em julho de 2016. Depois de duas lutas contra Stephen Thompson, com um empate e uma vitória, o norte-americano emplacou a terceira defesa de título diante de Demian. T-Wood, como é conhecido, não sabe o que é perder desde 2014, quando foi superado por Rory MacDonald na decisão unânime dos juízes. No Ultimate, soma oito resultados positivos, dois negativos e um empate.

Source: Portal da Luta

Cornelius finaliza Erberth e lutadoras pedem ‘união’ após Mundial da SJJIF

No último fim de semana, em Long Beach, na Califórnia (EUA), aconteceu o Mundial da SJJIF. O campeonato teve a vitória por finalização de Keenan Cornelius sobre Erberth Santos na decisão do absoluto, através de um estrangulamento pela omoplata. A divisão absoluta feminina ganhou repercussão pela manifestação das lutadoras nas redes sociais.

Assim como no masculino, a federação colocou em disputa um prêmio de US$ 15 mil ao vencedor. No entanto, era exigido um número mínimo de 12 lutadoras para participar da disputa em peso aberto.

Tayane Porfírio, campeã peso-absoluto, Cláudia do Val, Nathiely de Jesus, Ana Carolina Vieira e Jessica Flowers participaram e dividiram o prêmio entre si, de forma igualitária. Contudo, a organização disponibilizou apenas US$ 5 mil. Em postagens nas redes sociais, as lutadoras criticaram a falta de participação de outras atletas em eventos.

Confira abaixo:

Neste sabado aconteceu o Mundial da @sjjif , onde a campeã do absoluto feminino faixa preta seria premiada com 15 MIL DOLARES, o único requisito era que houvessem 12 atletas inscritas… Hoje somente 5 apareceram para competir. Vejo muitas vezes as atletas reclamando da nossa premiação não ser justa, dos homens ganharem mais… Mas quando um evento se dispoe a pagar uma quantia justa (a mesma do masculino) não aparecem atletas suficientes. Existem muito mais que 5 atletas faixas pretas competidoras aqui nos estados unidos. Como podemos reclamar, se vocês não colocam a cara e não aparecem para lutar? Fico muito triste com isso, nadamos e nadamos e quando finalmente conseguimos aquilo que queríamos morremos na praia, é triste você saber que existe mais de 200 faixas pretas mulheres, e apenas 5 comparecem para lutar, qual confederação hoje paga isso ? Infelizmente nos mulheres nunca vamos ganhar igual os homens, infelizmente vamos ter que continuar lutando apenas para ganhar uma inscrição de campeonato ou apenas ganhar uma camisa e uma medalha, a realidade é de se chorar, são 15 MIL DÓLARES, cansei de lutar por 100 reais, por uma medalha, quantas vezes sai de casa 4:50 da manhã para ir lutar em Niterói, em um ginásio que o sol batia meio dia e parecia que estávamos dentro de um forno, o tempo foi passando e o Jiu jitsu feminino sendo reconhecido cada vez mais e mais, que depois de anos subindo no pódio com uma placa, ATLETA NÃO COME MEDALHA, finalmente qualquer atleta do feminino poderia subir com um cheque de 15 mil, e o que acontece ? Vamos parar de brigar pela igualdade atletas de internet!!!! Isso fica feio para nós que gostamos de competir!!!! Obrigada @jehflowersbjj @nathibjj @anacvieirajj @claudiadovaljj por ontem!!! Obrigada ao evento por disponibilizar um evento desse para nós atletas.

Uma publicação compartilhada por Tayane Porfírio (@tayaneporfiriobjj) em

//platform.instagram.com/en_US/embeds.js

Pela União do jiu jitsu feminino, e a valorização dos atletas! Esse final de semana rolou o campeonato mundial da @sjjif , campeonato maneirissimo, ótima estrutura , alto nível e com premiação em dinheiro , a mesma premiação para homens e mulheres. Todo atleta profissional que compete à nível mundial sabe que é disso que a gente vive, patrocínio, seminários , aulas e o retorno que alguns campeonatos dão, então é muito legal quando aparece um campeonato que valoriza o atleta. ☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆ Parcerias e apoios : 🌟#delarivajiujitsu @studiodelariva 🌟#atama @atama⚬⚬⚬⚬⚬⚬⚬ 🌟@academiaequipe1 ⚬⚬⚬⚬⚬⚬ 🌟 @ryussushidelivery ⚬⚬⚬⚬⚬⚬ 🌟@heroessportsbr ⚬⚬⚬⚬⚬⚬⚬ 🌟@osteopatia_viniciusmartins ⚬⚬⚬ 🌟@hanseatictravelexperts⚬⚬⚬⚬ 🌟@drjoaogtcarvalho⚬⚬⚬⚬⚬⚬⚬ 🌟@Pnpsupplements {10% discount on the website with the code : claudiabjj } 🌟@spartanusfightwear {código de desconto no site : CLAUDIADOVAL10} #bjjgirls #bjj #brazilianjiujitsu #jiujitsu #fitness #fit #claudiadoval #nowoman #blackbelt #nevergiveup #yppjj #artesuave #gentleart #martialarts #athlete #sport #gym #sjjif #sjjifworldchampionship

Uma publicação compartilhada por Claudia do Val (bjj) (@claudiadovaljj) em

//platform.instagram.com/en_US/embeds.js

E esse foi o Absoluto de ontem , num campeonato onde estava valendo 15 mil dólares apenas 5 meninas se inscreveram no absoluto,porque? Sinceramente eu queria entender, pq não entra na minha cabeça as mulheres brigarem tanto por igualdade e quando aparecem campeonatos como esse valorizando nosso trabalho ninguém vem botar a cara pra bater, é muito fácil pra quem tá do outro lado julgar e falar um monte de abobrinhas querendo ter razão sendo que quando chega a hora do vamos ver ninguém aparece , isso é muito revoltante e triste ao mesmo tempo, então só queria deixar claro pros faladores de plantão tenham mais atitude de chegar e fazer do que ficar falando o que não deve. Parabéns ao evento @sjjif pela organização e iniciativa realmente foi um campeonato muito bem estruturado, agradeço também todas as meninas que vieram e representaram o nosso esporte dando um show de jiujitsu pra quem estava de fora, somos adversárias apenas ali dentro mais aqui fora todas brigamos pelo mesmo ideal o crescimento do nosso esporte. @tayaneporfiriobjj @anacvieirajj @jehflowersbjj @claudiadovaljj

Uma publicação compartilhada por Nathiely De Jesus (@nathibjj) em

//platform.instagram.com/en_US/embeds.js

As 5 que apareceram para lutar o Absoluto ontem valendo os $15 mil. Uma pena ter tido tantas meninas inscritas na categoria e na hora do vamos ver desaparecer todo mundo. Pedimos tanta igualdade e, quando finalmente temos, acontece uma parada dessas. É muito chato ter que ficar correndo atrás de atleta implorando pra lutar e nada. No final das contas valeu $5 mil, lutamos e dicidimos dividir o dinheiro pra ninguém sair perdendo. É isso, tomara que ano que vem mais meninas compareçam porque a @sjjif tá dando mó moral para todas nós, parabéns pela iniciativa e obrigada! E você que fez textão no instagram dizendo que a nova geração pegou tudo pronto e que tava lá com kimono e faixa pronta pra lutar e não lutou porque não tinha meninas: Isso na foto é o que? Não lutou porque não quis! Obrigada meninas @tayaneporfiriobjj @nathibjj @jehflowersbjj e @claudiadovaljj !!

Uma publicação compartilhada por Baby (@anacvieirajj) em

//platform.instagram.com/en_US/embeds.js

Source: Tatame

Co-fundador da ATT, Lambert explica baixa de Libório: ‘Saiu há dois anos’

A grande polêmica envolvendo Colby Covington no UFC São Paulo segue repercutindo bastante no mundo do MMA. O americano, que fez duras críticas ao Brasil e aos torcedores brasileiros antes e depois de sua luta contra Demian Maia, levantou a revolta de diversas pessoas, incluindo companheiros de equipe que são do Brasil, além de outros lutadores. Na última segunda-feira (30), um novo capítulo veio à tona com o anúncio da saída de Ricardo Libório da American Top Team, onde Colby realiza seus treinamentos.

Após a decisão de Libório, um dos fundadores da ATT, de deixar a equipe, foi a vez de Dan Lambert, co-fundador, se posicionar. Em entrevista ao site americano MMA Junkie, o americano revelou que, na verdade, o faixa-preta de Carlson Gracie deixou a American Top Team há cerca de dois, três anos, por conta de problemas familiares. Todavia, Lambert manteve Ricardo na folha de pagamento da equipe.

“Libório saiu (da American Top Team) há dois anos. Ele se mudou para Orlando, três horas ao Norte daqui, por questões familiares. Fiz um acordo com ele e disse: ‘Ok, vou manter você na folha de pagamento. Venha alguns dias na semana para treinar os caras’. Ele nunca veio. Ficou muito ocupado lá, e o mantive na folha de pagamento por mais de um ano para ajudá-lo. E no começo deste ano, o tirei da folha porque ele não apareceu mais, mas foi muitos meses atrás”, revelou Lamber, em entrevista ao MMA Junkie.

Atualmente com 50 anos, Ricardo Libório ajudou na fundação e no crescimento da ATT. Por sua trajetória no mundo das lutas, principalmente no Jiu-Jitsu, o brasileiro sempre foi visto com muito respeito por parte dos lutadores. No entanto, nos últimos anos, Libório começou a se afastar da equipe para cuidar de sua filha, que perdeu a visão devido a uma condição conhecida como craniosynostosis, de acordo com a publicação do site americano.

Source: Tatame

Em meio à polêmica, Erick Silva desafia Covington: ‘Quero chutar a sua bunda’

Erick quer enfrentar Colby em 2018 (Foto:reprodução/Facebook ErickSilva)

Erick quer enfrentar Colby em 2018 (Foto:reprodução/Facebook ErickSilva)leva

Colby Covington despertou a ira dos brasileiros. Após insultar o país ao dizer que ‘o Brasil é um chiqueiro e que as pessoas são um bando de animais sujos’, o lutador meio-médio passou a ser atacado nas redes sociais por diversos parceiros de profissão. Depois de Warlley Alves, que já o finalizou, e propôs uma revanche, foi a vez do capixaba Erick Silva usar as redes sociais para desafiar o norte-americano.

Veja Também

Covington esnobou as criticas recebidas por brasileiros (Foto: Reprodução/Instagram UFCBrasil)
Covington desdenha de brasileiros de sua equipe: ‘Não são meus amigos’

Warlley finalizou Covington em 2015 (Foto:Reprodução/YoutubeUFC)
Vídeo: Único a derrotar Covington, Warlley Alves detona o americano: ‘Vou te bater de novo’

“Veio ao meu país para desrespeitar meu povo? Antes tenho “negócios” no Canadá, mas depois disso eu quero chutar a sua bunda”, escreveu Silva em sua conta no Twitter.

Embora tenha pedido para enfrentar Colby, Erick já tem compromisso marcado para voltar ao octógono. Após ser nocauteado por Yancy Medeiros no UFC 212, em junho, no Rio de Janeiro, ele vai em busca de recuperação contra Jordan Main no UFC Winnipeg, dia 16 de dezembro, no Canadá. No Ultimate desde 2011, ele alterna bons e maus resultados, somando sete triunfos e sete reveses.

Colby, por sua vez, soma nove lutas na organização, tendo vencido oito e perdendo apenas uma, a única derrota de sua carreira, quando foi finalizado por Warlley Alves em dezembro de 2015.

Source: Portal da Luta

Covington desdenha de brasileiros de sua equipe: ‘Não são meus amigos’

Covington esnobou as criticas recebidas por brasileiros (Foto: Reprodução/Instagram UFCBrasil)

Covington esnobou as criticas recebidas (Foto: Reprodução/Instagram UFCBrasil)

Parece que Colby Covington está, de fato, propício a entrar em clima de ‘guerra’ com os brasileiros. Após insultar o país ao dizer que ‘o Brasil é um chiqueiro e que as pessoas são um bando de animais sujos’, o lutador norte-americano deu de ombros para as criticas recebidas por seus parceiros de equipe da American Top Team, academia localizada na Flórida e que conta com muitos atletas e treinadores tupiniquim, incluindo Antônio Cara de Sapato, Junior Cigano, Amanda Nunes e Antônio Pezão. Os dois últimos, inclusive, xingaram publicamente Colby, que afirmou não ligar para as críticas.

Veja Também

Warlley finalizou Covington em 2015 (Foto:Reprodução/YoutubeUFC)
Vídeo: Único a derrotar Covington, Warlley Alves detona o americano: ‘Vou te bater de novo’

David Shaw (foto) não ficou satisfeito com as declarações de Covington. Foto: Reprodução / YouTube UFC
UFC estuda punir Covington por declarações contra brasileiros

“Não ligo para Amanda Nunes, nem para Pezão. Eles não são meus amigos, nunca foram meus amigos e nunca serã omeus amigos. Não é um time, não sou parte de um time. Não estamos em um sistema de pontuação como no basquete ou futebol, onde é um time. Este é um esporte individual. Eu represento a American Top Team, mas não represento nenhum outro lutar da academia”, declarou em entrevista ao programa ”MMA Junkie Radio”.

Embora tenha afirmado não ligar para as opiniões dos brasileiros, Covington garantiu defender as cores da ATT. De acordo com o atleta, não é necessário ter bom convívio com todos os lutadores da academia, apenas com seus parceiros de treino.

“Eu sou ATT até os ossos. Tenho meu círculo fechado de pessoas, minha panela. Jorge Masvidal, Mike Brown, Dan Lambert. Não sou amigo de todos. É uma academia, mas isso é um esporte individual. Você não precida de um grande grupo. As pessoas vão sempre tentar te usar e fazer coisas ruins. Sempre terão panelas. Onde quer que você vá terão pessoas gravitando ao redor uma das outras. Temos diferentes pessoas de diferentes países, então cada um tem seu lado. Você acabou de ver as pessoas assumindo seus lados do que aconteceu com meu incidente no Brasil no último fim de semana”, concluiu.

Source: Portal da Luta

Com oito vitórias em nove lutas, Massaranduba mira Anthony Pettis e Dustin Poirier

Francisco Massaranduba estava vindo de uma incrível sequência de sete vitórias consecutivas até esbarrar em Kevin Lee em março deste ano. No último sábado, o piauiense mostrou que não deixou se abater pelo tropeço e voltou a vencer. A vítima da vez foi o também experiente Jim Miller, superado via decisão unânime. Aos 39 anos de idade, o atleta da Evolução Thai não quer saber de descanso e já planeja o retorno ao octógono.

“Os dois últimos lutadores que lutaram com ele (Jim Miller) foram Anthony Pettis e o outro foi o… Max Holloway? (na verdade ele quis dizer Dustin Poirier). Esses dois adversários é uma boa luta para o Massaranduba. Qualquer hora que eles quiserem lutar com o Massaranduba vai estar pronto para eles”, garantiu.

Contra Jim Miller, embora tenha perdido o primeiro round, Massaranduba não deixou dúvidas sobre sua vitória. Apesar disso, ele se mostrou bastante crítico quanto a sua performance.

“Fiquei devendo um pouco como Jim Miller, porque eu treinei para nocautear ou finalizar ele. Juro para vocês que eu treinei todo o santo dia, não perdi nenhum treino, fazia quatro treinos por dia, e no dia que eu pensava que meu corpo estava cansado, eu olhava para o meu moleque e falava: ‘Nem fod*** que eu vou ficar aqui. Vou treinar porque eu preciso dessa vitória’”.

O post Com oito vitórias em nove lutas, Massaranduba mira Anthony Pettis e Dustin Poirier apareceu primeiro em Portal do Vale Tudo.

Source: Portal