Dominante, Lucas Hulk comemora ouro duplo no Dallas Open da IBJJF: ‘Mostra o meu potencial’

Lucas Hulk não para, de fato. No último fim de semana passado, em Dallas, no Texas (EUA), o faixa-preta da Atos usou seus poderes para dominar e confirmar o favoritismo no meio-pesado e absoluto com maestria, durante o Dallas Fall International Open da IBJJF.

Primeiro, Lucas foi dominante na categoria e ficou com o ouro, após finalizar Igor Paiva (Soul Fighters) no estrangulamento. Hulk aproveitou para destrinchar a finalização.
“Finalizei com um estrangulamento do norte-sul, porém essa finalização é mais usada no sem quimono mesmo. Essa eu aprendi com o André Galvão. Tive três lutas na categoria e consegui finalizar todas”, analisa o campeão, bastante feliz com o seu desempenho.

Com o ouro garantindo na categoria, Lucas inscreveu-se no absoluto e também saiu vitorioso. A divisão aberta para todos os pesos reuniu craques mundiais como, por exemplo, Gabriel “Fedor”, da Checkmat, e Jaime Canuto, da GFTeam, entre outros.

“Foi uma experiência muito boa, por ter lutado contra campeões mundiais e isso me diz o potencial que eu tenho. Isso mostra que tenho potencial para ser campeão mundial da IBJJF em 2018, e eu vou trabalhar duro para que isso vire realidade”, contou, antes de analisar sua vitória sobre o duro Gabriel na final do absoluto em Dallas.

“A luta contra o Gabriel Fedor… Eu já sabia que ele fazia uma meia-guarda e trocava queda, então, começamos trocando em pé. Durante a luta, tentei algumas quedas e consegui uma vantagem. Perto do fim, ele me puxou para a meia-guarda, eu fiquei trabalhando a defesa e tentei passar. Mas deu tudo certo e venci na vantagem, mas não consegui finalizar – esse é o meu objetivo para todos os campeonatos em que disputo. Agora minha próxima parada é o Charllote Open, seguir lutando e evoluindo”.

Desde o início do ano, Hulk vem acumulando medalhas douradas nos torneios de Jiu-Jitsu que participa. E qual seria o segredo para isso? Bom, o faixa-preta da Atos revelou.

“A diferença de 2016 para 2017 é que eu continuei os trabalhos e não parei de lutar, devido às derrotas no Mundial e na final do Pan-Americano, que não deram certo. Mas eu continuei treinando e ganhei outros eventos importantes. Eu estou melhorando minhas habilidades em tudo: estou aperfeiçoando minha passagem de guarda e por baixo também. Hoje em dia já coloco mais meu jogo por baixo em prática, o que eu não fazia antes, mesmo tendo um jogo por baixo. Se você ver minhas lutas, estou puxando mais e estou surpreendendo a galera”, encerra Lucas, que é o sétimo lugar no ranking da IBJJF.

Veja um pouco do jogo de Lucas Hulk:

Source: Tatame

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *