Claudinha Gadelha revela ‘desgaste mental’ e projeta férias: ‘Vou curtir minha vida até fevereiro’

Após ser dominada e derrotada por Jéssica Bate-Estaca no UFC Japão, no mês de setembro, Claudinha Gadelha resolveu dar uma pausa no MMA para “curtir a vida”. A lutadora revelou durante um encontro com a imprensa em São Paulo, que quer tirar férias até o mês de fevereiro de 2018 para, então, retornar com um novo ânimo.

“Estou sem treinar há um mês e estou ficando maluca já! Não fiz nada depois da luta. Nada, nada. Tento não ver luta, mas não consigo. Fui ver a luta da Poliana Botelho, que é minha amiga, e fiquei toda animada de novo. Mas falei: “Não, vou tirar isso da minha mente”. Quero dar esse tempo para minha cabeça, para os meus amigos, para as pessoas que amo, para minha família. Quero aproveitar, colecionar experiências com as pessoas que eu amo, e realmente preciso desse tempo. Planejei minha vida até fevereiro, vou viajar com meus pais, que nunca tiveram a oportunidade de viajar para fora do país, e vou levá-los para os EUA agora, é a realização de um sonho. E vou curtir minha vida um pouquinho até fevereiro, e depois volto”, comentou a lutadora, afirmando que precisa aproveitar esse tempo com a família e amigos.

“Nunca vi isso acontecer, nunca reparei que algum atleta fez isso, mas acho que aconteceu comigo. Comecei a perder um pouco do tesão pelo treino. Saí de casa muito novinha, com 15 anos, em busca de um objetivo. Com 18 anos, fiz minha primeira luta profissional, e agora vou fazer 29 anos e nunca parei. Quero muito continuar, vou continuar, mas acho que precisava desse tempo para mim. Nesses 11 anos de carreira profissional no MMA, não parei para dar atenção à minha família, meus amigos, estava muito focada em mim e me cobrei muito o tempo inteiro. Acho que estou passando pela fase de entender mais como o lado leve do atleta funciona, e estou dando um tempo para refrescar minha mente e entender tudo isso”, apontou Claudinha.

A respeito da luta contra Bate-Estaca, Claudinha voltou a afirmar que tem mais “técnica” que a atleta da PRVT, mas que a adversária mostrou mais “vontade” dentro do octógono. Além disso, complementou dizendo que vai assistir quantas vezes for preciso, para entender o que errou e melhorar no próximo combate.

“Acho que aquela luta ali me ensinou bastante. A derrota ensina mais que a vitória, todo mundo sabe disso, mas, pelo contrário, não quero esquecer aquilo ali, quero ver mil vezes e entender meus erros. Pelas vezes que já vi a luta, consigo entender nitidamente. Aquilo nunca aconteceu comigo, nunca entrei no octógono para não consegui lutar. Eu não consegui lutar, não consegui fazer nada, impor meu jogo, e parabéns para a Jéssica, que conseguiu impor o jogo dela. Me considero tecnicamente muito melhor que ela, mas ela levou a melhor pela força e vontade, e admiro ela por isso. Quero ver essa luta várias vezes e que ela sirva de motivação”, encerrou.

Source: Tatame

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *