Demian Maia admite ‘erro tático’ contra Colby e descarta aposentadoria; confira

Por Diogo Santarém

Conhecido por seu jogo extremamente eficiente no chão e de finalização, Demian Maia esteve irreconhecível no último sábado (28), quando acabou derrotado pelo falastrão Colby Covington no co-main event do UFC São Paulo. Apostando na trocação e sem conseguir ser eficiente nas quedas, o brasileiro foi dominado pelo americano, principalmente a partir do segundo round, quando seu gás também começou a acabar.

Em entrevista coletiva após o evento, o próprio Demian admitiu um “erro tático no duelo”. Segundo o faixa-preta de Jiu-Jitsu, ele até se sentiu confortável na trocação, mas depois que os 39 anos pesaram, levar para o chão passou a ser a aposta, sem sucesso.

“A parte da grade, com certeza faltou… Conversamos sobre isso logo depois da luta (eu e a equipe), para quedar na grade, mas ele fez um trabalho bom girando e isso me dificultou. De qualquer forma, acho que cometi erros táticos no segundo round, todas as entradas que eu dei foram no meio do octógono, e isso é culpa minha. Com certeza teria sido melhor se eu tivesse empurrado ele mais pra grade para conseguir o meu objetivo”, afirmou o lutador, que agora soma duas derrotas seguidas na divisão dos meio-médios do UFC.

Ainda na conversa com jornalistas, Demian garantiu que planeja lutar mais um ou dois anos e comentou a postura do seu rival, Colby, que forçou no trash talk em São Paulo.

Confira a entrevista coletiva de Demian Maia na íntegra:

– Estratégia no duelo contra o Colby Covington 

Eu estava preparado para duas situações: buscar logo a queda ou trocar um pouco e estudar. Aí vi que a minha mão entrou, ele sentiu, então eu me empolguei para nocautear, não consegui e isso deu uma drenada na minha energia. No segundo round já quis entrar muito em queda, não adiantou e acabei cansando, foi quando ele começou a crescer.

– Pouca eficiência nas quedas recentemente

A gente vem procurando métodos diferentes para derrubar, tive problemas com o Woodley, mudamos algumas coisas, mas também é preciso ressaltar que são dois caras (Woodley e Covington) duríssimos no Wrestling, campeões americanos. Mas é aquilo, com certeza as pessoas vão mapeando o seu jogo, vai ficando mais difícil. Eu venho tentando mudar isso, comecei com um estilo diferente hoje (sábado), mas ele conseguiu virar a luta e foi melhor.

Faixa-preta de Jiu-Jitsu, Demian não conseguiu quedar Colby nenhuma vez (Foto Getty Images / UFC)

– Planos após fim do contrato com o Ultimate

Na verdade eu nem olho assim o meu contrato, isso é mais com os meus empresários, então não sei ainda (sobre o meu futuro após essa ultima luta no UFC). O que eu sei é que o meu objetivo é seguir lutando. Eu já estou há 10 anos no UFC, é desgastante fisicamente, mas mentalmente eu me sinto muito bem. Acho que vou lutar mais uns dois anos ou algo assim, mas com certeza já começo a caminhar para o meu final.

– Aposentadoria e objetivos após parar de lutar

Eu pretendo lutar ainda por mais um ou dois anos, mas já estou começando a dar uma importância um pouco maior mais para outras ramificações da minha carreira, como minhas academias afiliadas, seminários e um projeto, ainda segredo, em parceria com o UFC. É um projeto de TV, eu não posso falar ainda, mas quero me manter ocupado com esse tipo de coisa. Porém, enquanto eu estiver lutando, minha dedicação total é para isso, para o camp. Eu não vou entrar meia bomba para lutar, então enquanto eu estiver em ação, meu foco é total nisso, em me preparar, estar no meu melhor para lutar.

– Provocações do Colby antes e depois da luta

Na verdade eu nem prestei atenção (nas provocações após a luta). O que ele (Covington) falou pra mim, desde o começo, era que ele me respeitava muito e o que estava fazendo era para se promover, autopromoção. Eu não gosto desse estilo, não é meu, mas também não vou julgar. Comigo ele foi correto, conversou, então não tem problema nenhum.

– Perigos para um lutador ao adotar o trash talk

Eu sou lutador, mas em geral os lutadores não são as pessoas mais esclarecidas do mundo, então muitos deles erram ao trabalhar sua imagem, seu marketing. Existe um jeito correto de se fazer isso (trash talk), como o McGregor faz, o Sonnen fez, mas também existe uma linha tênue entre você destruir a sua imagem ou construiu algo legal. É um risco, certeza.

Source: Tatame

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *