Borrachinha revela ‘bullying’ de Joanna a Namajunas nos bastidores

R. Namajunas (esq) e Joanna (dir): rivalidade (Foto: Reprodução Facebook UFC)

R. Namajunas (esq) e Joanna (dir): rivalidade (Foto: Reprodução Facebook UFC)

Um dos destaques do histórico UFC 217, Paulo Borrachinha, que superou o ex-campeão Johny Hendricks na abertura da porção principal do show, revelou que a rivalidade entre Joanna Jedrzejczyk e Rose Namajunas não era apenas uma peça publicitária. O brasileiro disse que a polonesa provocou tanto a norte-americana nos bastidores da pesagem que fez “Thug Rose” chorar.

Veja Também

McGregor não pensa em pendurar as luvas (Foto: Reprodução Facebook Conor McGregor)
Conor McGregor rechaça aposentadoria ’em breve’: ‘Ainda sou jovem’

C. Covington provocou campeão (Foto: Reprodução Facebook UFC)
Covington garante já ter ‘quebrado’ Woodley durante treinamentos

Rani tá fora da luta contra Sterling (Foto:Reprodução/Facebook UFC)
Rani Yahya se lesiona e deixa luta contra Sterling, em dezembro

O brasileiro se disse chocado com o comportamento da ex-campeã, que também a provocou nos bastidores após ter xingado-a para o mundo todo durante a pesagem cerimonial na véspera do UFC 217.

“Fiquei chocado com as meninas (Joanna Jedrzejczyk e Rose namajunas). Fiquei chocado. Não só a luta. A luta foi muito chocante. Mas no dia da pesagem para a mídia, para a TV, a Joanna falou um monte de coisa para Rose, botou a mão na cara dela… A Rose ficou congelada, sem reação. Quando fomos para os bastidores, a Rose veio chorando, em prantos. Pensei: “Essa moça não vai ter condições de lutar. Ela está destruída emocionalmente”. Mas chorando muito, copiosamente”, revelou Borrachinha, em entrevista ao podcast MMA Ganhador, dizendo que Namajunas estava sozinha, sem os treinadores quando foi provocada por Joanna.

“Passaram-se uns 20 minutos, entra a Joanna, provocando, botando a mão na cara dela e gritando. E a rose chorando olhando para o chão. Não precisava disso tudo. Eu estava quase indo pegar a Joanna para colocá-la sentada do outro lado da sala, como crianças (risos)”, disse o brasileiro (…) E ela estava sozinha. Todo mundo com treinador e ela sozinha. Quando chega na luta, ela vai e faz aquilo. Quando vi aquilo fiquei muito feliz, estava torcendo muito por ela”, disse o brasileiro.

Source: Portal da Luta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *