Aldo cita ‘motivação por título’ em revanche com Holloway, que dispara: ‘Isso me deixa abismado’

Na última segunda-feira (20), na Upper Arena, novo CT da Nova União, José Aldo recebeu a imprensa para conversar sobre a revanche com o campeão dos penas Max Holloway, pelo UFC 218, marcado para o próximo dia 2. Em coletiva, o brasileiro revelou que não está “engasgado” com a derrota sofrida por nocaute técnico no UFC 212, no Rio de Janeiro, em junho deste ano. O ex-campeão, por sinal, revelou que o fato de ter a chance de recuperar o cinturão é uma “motivação” a mais durante o camp para encarar Max em Detroit (EUA).

“Não (está engasgada). Acho que pra mim, cada luta é uma luta. Acho que isso é um esporte e faz parte. Você caminha com a vitória e com a derrota. O cara que luta sempre, um dia pode perder. São possibilidades do esporte. Não vejo que está engasgado, mas o fato de o cinturão não estar mais comigo hoje, isso me deixa mais motivado para treinar mais e querer recuperá-lo. Quanto ao Holloway, normal, faz parte. É só mais um que eu vou vencer. Primeiramente, é uma motivação a mais. Eu já queria ter feito uma revanche, tanto na luta com o Conor (McGregor), que eu perdi, mas não veio. Está vindo agora e fico feliz, também pela chance em disputar o cinturão. Isso que me motiva, me faz acordar cedo, para chegar e ser o campeão”, apontou Aldo, que comentou o fato de o havaiano ter “aceitado” a revanche imediata, sem “escolher” adversário, após a lesão de Frankei Edgar.

“Acho que o campeão é aquele que começa a defender o cinturão. Ele tem isso na cabeça. Ele estava esperando para fazer essa luta com o Frankie Edgar, por isso não quis sair do card. Fico feliz por ele ter aceitado. Ele tinha o direito dele como campeão, sim (de escolher o oponente), mas ele precisava colocar o cinturão em jogo. Agora é uma nova vida, que eu vou chegar e pegar”, projetou o pupilo de Dedé Pederneiras na Nova União.

A respeito da sua volta para Detroit (EUA), Aldo destacou o carinho especial que tem pela cidade, por ter iniciado o seu reinado na categoria dos penas lá. Além disso, destacou o “foco” e a “preparação” que teve como um dos principais trunfos para o dia 2 de dezembro.

“Acho que é um fato especial, né. Foi lá onde eu virei campeão do UFC, quando o Dana me entregou o cinturão. Então, estamos voltando para lá e será mais um reinado, começando em Detroit. O cinturão vai voltar pra cá. Como falei, acho que ganhamos em aceitar essa luta. Estou muito bem fisicamente, tecnicamente estou atravessando uma fase muito boa. Passei um tempo nos Estados Unidos, pude treinar mais, aprender coisas novas. Pode ter certeza, eu vou focado do início ao fim. Eu tô com saudades de vencer, né, cara. A última não fomos muito bem, mas eu tô com uma visão nova, quero lutar, ir para frente o tempo inteiro. Pode ter certeza: essa luta acaba o quanto antes”, finalizou o brasileiro.

Holloway questiona ‘motivação’ de Aldo

Um dia após a coletiva de José Aldo no Rio de Janeiro, Max Holloway participou de uma teleconferência com a imprensa internacional. Nela, o atual campeão dos penas do Ultimate questionou a “motivação extra” do brasileiro para essa revanche que vai acontecer no próximo dia 2. “Blessed” citou a vitória que teve sobre o atleta da Nova União em junho deste ano, no UFC 212, como um dos argumentos para o seu ponto de vista.

Holloway nocauteou o brasileiro no terceiro round, no Rio, para levar o cinturão (Foto Getty Images / UFC)

“Falando sobre motivação, esse cara fala que está tão motivado pelo cinturão… Eu lutei contra ele no país dele, ele era o campeão, e ele está dizendo agora que está mais motivado? Se lutar no seu país, pelo seu povo, pelo seu cinturão, não é motivação o bastante, o que é isso? Eu estou motivado. O cinturão é ótimo, com ele vem mais dinheiro e pay-per-views, mas o cinturão é o cinturão, uma luta é uma luta, não quero entrar lá para levar uma surra na frente de milhões de pessoas vendo pela TV. Eu estou no ramo da dor. Quero vencer. Não me importo com quem eu lute, posso lutar com esse cara dez vezes seguidas, eu vou estar sempre motivado. Este é quem eu sou, tenho espírito de guerreiro. Não preciso de muito para me motivar. Se você tem dificuldade em se motivar, está no ramo errado, pode se machucar. Esse cara está falando de motivação, isso me deixa abismado. Eu estou motivado, não importa se fosse ele ou outro, eu estou pronto”, disparou o campeão, afirmando que essa revanche colocará o “legado” de Aldo em jogo.

“A única coisa estranha nesta situação é que ele (José Aldo) raramente aceita lutas de última hora, ele normalmente não luta tão frequentemente. Antes de me enfrentar no UFC 212 (em junho de 2017), ele tinha lutado só no UFC 200 (em julho de 2016). Ele será chamado primeiro, acho que essa será a primeira luta que ele fará sua entrada primeiro, terá muita coisa estranha pra ele. Mas escolheram o Aldo, eu tenho a chance de provar a todos que sou o melhor do mundo e será uma noite divertida. É uma luta de legado. José nunca perdeu lutas consecutivas, ninguém jamais o bateu duas vezes, e para eu ser o maior campeão peso-pena, este é um ponto de partida. Eu preciso me focar nesta próxima luta, não estou focado nos recordes. Estou sempre 0 a 0, mas é uma luta por legado sim, me deixa um passo mais próximo de provar a todos porque devo ser considerado um dos melhores lutadores a competir neste esporte na história”, projetou Max Holloway.

Source: Tatame

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *