Sem lutar desde a saída do UFC, Larissa Pacheco disputa o primeiro cinturão feminino do WOCS

Larissa Pacheco só enfrentou pedreira no UFC: Jéssica Andrade e Germaine de Randamie – Foto: Getty Images/UFC

Contratada pelo UFC em setembro de 2014, aos 20 anos de idade, Larissa Pacheco não conseguiu render no octógono o que rendia nos eventos nacionais. Na primeira luta, na qual entrou em cima da hora, foi finalizada por Jessica Andrade; na segunda, seis meses depois, acabou superada por Germaine de Randamie por nocaute técnico após ter o braço quebrado num chute durante o combate.

“A derrota foi o de menos, o grande problema foi ter o braço quebrado. Ouvi um barulho, mas não senti, então continuei lutando. Depois de algum tempo eu senti que havia perdido a força no braço, mas ainda não tinha entendido o que tinha acontecido. Depois da luta que eu soube que tinha quebrado o braço, e por eu ter continuado na luta, a lesão agravou. Passei por cirurgia, fiquei uns seis ou sete meses com plantina no braço”, relembrou a lutadora, hoje com 24 anos.

Era só o início de um longo período de lesões e frustrações. Mesmo com as derrotas em sequência, Larissa continuaria no UFC. Entretanto, a ansiedade para se recuperar fez com que a paraense pulasse etapas do tratamento, o que foi agravando cada vez mais a situação.

“O UFC me ofereceu uma luta no mesmo ano (2015). Eu queria muito lutar, então fiz uma cirurgia para tirar a platina, mas não consegui me recuperar o suficiente para lutar. No ano seguinte, eu voltei a treinar para lutar, só que o UFC pediu para eu fazer uma luta em algum outro evento, embora eu ainda tivesse uma luta no contrato. Eles queriam um teste. Passei nove meses treinando, estava bem, ia disputar o cinturão do Mr. Cage, mas na véspera da luta, a uma semana mais ou menos, eu me lesionei no treino, depois de um chute eu trinquei o braço no mesmo local”, contou. “Cinco meses depois, após consultar alguns médicos que me disseram que o osso estava recuperado, eu voltei a treinar, mas me machuquei de novo. Então eu resolvi parar por um ano, me dedicar apenas à recuperação. Tive uma pseudoartrose por conta das várias lesões, uma em cima da outra, então passei por diversos tratamentos para recuperar o osso… Esperei a cicatrização e a liberação do médico. Mas isso só aconteceu há sete meses”.

Será a primeira luta da paraense desde a saída do UFC, em 2015 – Foto: Leonardo Fabri

Recuperada 100%, Larissa Pacheco volta ao cage no próximo sábado, na primeira disputa de cinturão da história do WOCS, no Rio de Janeiro. Em caso de vitória sobre Karolinne Rosa, além do título dos penas, a paraense de Marituba, que agora treina no Rio de Janeiro, pode ainda ser chamada novamente pelo maior evento de MMA do mundo. Apesar disso, ele prefere não criar expectativas.

“Não sei se o UFC vai me chamar de volta já agora, mas creio que, se eu vencer bem, tiver uma boa apresentação, eu possa ter uma nova oportunidade. Mas não estou depositando todas as minhas fichas nisso. Meu foco agora é voltar bem, não adianta fazer planos apenas por fazer”, disse a atleta da JB Jiu-Jitsu e, agora, da Tatá Fight Team. “O WOCS é um grande evento, tive a oportunidade de ser presenteada com isso, estou bastante tempo afastada do meio da luta, não de uma forma geral, mas de lutar, atuar de fato. Na verdade, a importância desta luta é poder levantar o meu nome de novo, essa é a intenção. Além disso, é uma grande luta, independentemente de eu chegar no UFC ou não. Cada título, cada luta é tão importante quanto chegar no UFC”.

Adversária quer estragar o retorno

Luta é a primeira feminina a liderar um card do WOCS – Foto: Leonardo Fabri

Quem terá a ingrata missão de estragar os planos de Larissa Pacheco será a capixaba Karol Rosa, parceira de treinos de Jéssica Andrade na equipe Paraná Vale-Tudo. Com um cartel de oito vitórias e apenas uma derrota, ela vê no duelo contra a ex-UFC a possibilidade de ser reconhecida.

“Eu venho treinando há muito tempo, esperando a oportunidade de atuar num grande evento contra uma grande adversária. Essa oportunidade apareceu no WOCS. Vai ser bom para mim, vai ser a virada da minha carreira. Vou sair de lá reconhecida”, afirmou a representante de Vila Velha.

Ex-TUF em busca do UFC

Pedra integrou o time de Wanderlei Silva no TUF Brasil 2 – Foto: UFC

Quem também quer fazer barulho é o participante da 2ª edição do reality show The Ultimate Fighter Márcio Pedra. Vindo de cinco vitórias consecutivas, o peso meio-médio, que encara João Paulo Guerreiro, quer aumentar a sequência e ser lembrado pela maior organização de MMA do mundo.

“Estou numa fase de crescimento. Minha passagem pelo TUF foi de muito aprendizado, foi um processo de amadurecimento, luta após luta. A ideia é continuar fazendo barulho, se provando, sempre
com aquele cuidado, tratando toda luta com o maior respeito possível, porque a gente sabe que uma vitória é um passo, mas a derrota são cinco, seis passos para trás. Então eu procuro sempre estar bem ali, sempre mostrando evolução. Uma hora a oportunidade vai aparecer”.

Nova geração em ação

Tradicionalmente, o WOCS mescla lutas entre atletas experientes e entre novatos em suas edições, incluindo profissionais e amadores. Desta vez não será diferente. No card principal, o meio-médio Jansey Jones, que venceu as duas lutas profissionais que disputou, encara Bruno Fabiano; pupilo de Pedro Rizzo, Gilberto Junior encara Caionã Blade; e a aposta da TFT Victor Paçoca mede forças contra Fernando Leitão. No card amador, a “Rondinha” Maria Carolina Joia faz sua estreia contra Tatiana Campos.

O card principal será transmitido ao vivo pelo canal Esporte Interativo, a partir das 22h (horário de Brasília). Os cards preliminar e amador poderão ser assistidos, também ao vivo, através das redes sociais do WOCS, partir das 18h.

WOCS 49
Hotel Laghetto Stilo – Barra da Tijuca (RJ)
Sábado, 24 de março de 2018

CARD PRINCIPAL

Disputa do cinturão peso-pena: Larissa Pacheco x Karolline Rosa
Peso casado até 80kg: Márcio “Pedra” x João Paulo “Guerreiro”
Peso-mosca: Charles “Blackout” x Júnior “Orelha”
Peso-meio-médio: Jansey “Jones” Silva x Bruno Fabiano
Peso casado até 88kg: André Muniz “Sergipano” x Willyanedson Paiva
Peso-galo: Caionã “Blade” x Gilberto Júnior
Peso-mosca: Victor “Paçoca” Dias x Fernando Leitão

CARD PRELIMINAR

Peso-galo: Edcarlos “Peixe” x Paulo Roberto
Peso-leve: Átila Junior “Tigre” x Aledio Ferreira
Peso-leve:Marcos Vinícius “Sorriso” x Danilo de Souza
Peso-pena: Adriano “Trator” x Douglas Barbosa
Peso casado até 74kg: Rodrigo “Zóio” x Florisbergue Carneiro
Peso-pena: Cristiano “Billy” x Lucas Alexander

CARD AMADOR

Peso-mosca: Maria Carolina Joia x Tatiana Campos
Peso-galo: Charles Fernandes x Rafael Teixeira
Peso-médio: Patrick Viana x Patrick Mattos
Peso-leve: Lenon Carvalho x Eduardo Terêncio
Peso-leve: Jairo “Mumuzinho” x Wanderson Barcelo

O post Sem lutar desde a saída do UFC, Larissa Pacheco disputa o primeiro cinturão feminino do WOCS apareceu primeiro em Portal do Vale Tudo.

Source: Portal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *