Raquel Pennington defende decisão de treinador que a fez continuar na luta com Amanda Nunes

Pennington afirma que desistir não era uma opção. “Se eu desistisse, estaria desistindo de mim mesma”. Foto Reprodução / @ufc

Em disputa pelo cinturão do peso galo, Amanda Nunes e Raquel Pennington se enfrentaram no UFC 224, no sábado (12). A brasileira manteve o título finalizando a luta por nocaute no quinto round. Durante o combate a norte-americana disse para seu treinador que não voltaria para o último assalto. Jason Kutz disse que não a deixaria desistir.

Veja Também

Amanda Nunes recebe suspensão médica de 180 após UFC 224, no Rio

UFC 224: Amanda Nunes cumpre promessa, domina Pennington e defende cinturão no Rio

VÍDEO: Assista à vitória de Amanda Nunes sobre Raquel Pennington no UFC 224

Em entrevista ao programa ‘MMA Hour’, Pennington saiu em defesa de Kutz e falou que apenas eles sabem o que aconteceu durante o intervalo entre o quarto e quinto round. A norte-americana explicou que achava que não conseguiria aguentar a dor dos chutes de Amanda na lesão da perna.

“Concordei com a decisão da minha equipe assim que a luta terminou. Concordei com eles naquele momento. Poderia ter desistido da luta, poderia sentar e bater. Mas escolhi não fazer isso. Não queria desistir. Desistir não é uma opção. Se eu desistisse, estaria desistindo de mim mesma. E é nessa hora que um treinador entra em ação e leva o seu atleta ao limite. Ficaria brava comigo mesma. Estou feliz que os meus treinadores não me deixaram desistir”, disse.

Pennington disse que a cobrança está muito grande em cima do treinador e da equipe que tomaram a decisão de prosseguir a luta. Ela ainda justificou que eles nunca a colocariam em uma situação ruim. “Eu que tive que consolá-lo, porque ele estava devastado. Disse para ele: ‘Você me motivou como atleta, não me deixou desistir. Estou muito orgulhosa de você’. Eles estão tentando manter as cabeças levantadas. Eles são ótimos treinadores e os amo”, concluiu a lutadora.

Pós luta, Raquel recebeu uma suspensão médica de 60 dias e também será avaliada por um cirurgião.

Source: Portal da Luta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *