Belfort lutou contra Lyoto com joelho lesionado no UFC 224, no Rio

Lyoto (esq.) vence Belfort (dir.) no UFC 224. Foto: Reproduçao / Facebook @ufc

Vitor Belfort se aposentou do MMA com um nocaute brutal no UFC 224, evento realizado no último sábado (12), no Rio de Janeiro. O ‘Fenômeno’ recebeu um pisão frontal e caiu apagado na luta contra o compatriota Lyoto Machida. Mas o que ninguém sabia até então é que ele subiu no octógono longe de sua condição ideal. O ex-campeão do UFC sofreu uma lesão de grau II no ligamento medial do joelho esquerdo.

Veja Também

UFC 224: Lyoto aposenta Vitor Belfort com nocaute espetacular

VÍDEO: Veja o nocaute de Lyoto Machida sobre Vitor Belfort

Despedida do Fenômeno: Personalidades homenageiam Vitor Belfort

MEMES: Internautas não perdoam derrota de Vitor Belfort

De acordo com reportagem produzida pelo site do canal Combate, Vitor sofreu a lesão durante a primeira semana de preparação no Canadá. Ele ficou afastado dos treinamentos por duas semanas e três médicos o aconselharam a desistir da luta. Porém, com a aposentadoria prevista para acontecer ’em casa’, Belfort decidiu continuar no duelo, mas sem a possibilidade de chutar na disputa contra Machida. No combate, ele realmente evitou os chutes – que marcaram o final de sua carreira com nocautes sobre os ex-campeões Luke Rockhold e Michael Bisping – e optou apenas por trabalhar com combinações de socos.

A carreira de Belfort

Vitor Belfort pendurou as luvas no último sábado (12) ao ser nocauteado em sua 41ª luta como profissional. O brasileiro somou 26 vitórias, 14 derrotas e uma luta sem resultado (No Contest). Entre suas principais conquistas do ‘Fenômeno,’ estão o GP de pesados do UFC, em 1997, aos 19 anos;  o cinturão dos meio-pesados (até 93,1 kg.) do UFC em 2004 e o título dos médios do Cage Rage, no ano de 2007.

Source: Portal da Luta

Lucas Pinheiro se junta a Atos após conquistar mais dois ouros em 2018: ‘É o que eu preciso no momento’

Lucas Pinheiro está de casa nova. O faixa-preta, vice-campeão no Pan e bronze no último Mundial, é o novo reforço da equipe Atos Jiu-Jitsu, liderada pelo multicampeão mundial André Galvão. O acerto foi feito logo após o peso-galo conquistar mais duas medalhas douradas no último final de semana, quando venceu o San Diego Open e o ACB Jiu-Jitsu.

“Fui muito bem recebido na equipe por todos, tanto pelos atletas quanto pelos professores. Eles não tinham nenhum faixa-preta no peso galo, e me disseram que eu seria uma boa adição para o time também. Escolhi a Atos porque queria ser parte de um time grande que me oferecesse o suporte que eu preciso no momento de um treino mais duro, já que a maioria dos meus alunos são pouco graduados e nenhum deles é atleta profissional. E eu sempre fui fã do Rafael Mendes e do André Galvão, então, poder aprender com eles diariamente, com certeza, é um sonho pra mim”, projetou o jovem Lucas Pinheiro.

Com as conquistas no último final de semana, Lucas já soma sete medalhas de ouro nesta temporada. Apesar do bom momento, o amazonense sabe que no Mundial o nível é mais alto e, por isso, não quer se iludir com os bons resultados que tem obtido recentemente.

“Ganhar medalhas de ouro é sempre bom. Mas essas não garantem que também vou ganhar em nenhum outro evento. Muito menos nos eventos maiores como o Mundial. O nível de alguns atletas no Mundial é muito maior, o que o torna muito mais difícil. Vou continuar focado e treinando duro para, se Deus quiser, esse ano garantir o título”, disse.

O Mundial de Jiu-Jitsu da IBJJF, que será realizado em Long Beach, na Califórnia (EUA), começa no próximo dia 30 de maio. Lucas já está em San Diego e terá mais 15 dias pela frente para fazer a sua preparação para o torneio mais importante da temporada.

“Vou ficar aqui em San Diego até o Mundial. Alguns dias antes vamos todos juntos para Los Angeles. A Atos é super organizada em tudo. Os treinos de competição são muito puxados, e a equipe ainda tem um preparador físico que alinha todos os treinos com os professores do time para chegarmos bem condicionados no campeonato. Tem sido porrada o dia todo”.

Source: Tatame

Vídeo: Braguinha vence Xande e finaliza ‘gringo’ para conquistar ouro duplo no San Diego Open; assista

Realizado no último fim de semana, o San Diego Open de Jiu-Jitsu da IBJJF foi o ponto alto entre os eventos organizados pela Federação. E por lá, Gustavo Braguinha foi “o cara”. Campeão peso e absoluto, o faixa-preta da Atos primeiro derrotou Xande Ribeiro por pontos na final do peso-pesado e, em seguida, finalizou Ashur Darmo com um estrangulamento da montada no peso aberto, garantindo o ouro duplo na competição.

Confira abaixo os duelos na íntegra:

Source: Tatame

‘Dr. faixa-preta’: Rogério Padovan cita desafios em conciliar rotinas de médico e lutador; confira

Por Mateus Machado

Conciliar a rotina de uma profissão com a prática de esportes, seja de forma amadora ou profissional, não é uma tarefa fácil. No entanto, apesar do cenário desafiador, existem casos de sucesso, como o de Rogério Padovan. Com uma trajetória consolidada na Medicina, com diversos projetos já realizados, incluindo o “Núcleo Padovan”, que envolve a medicina especializada, o paulista é um verdadeiro amante das artes marciais, sendo faixa-preta de Caratê, faixa-azul de Jiu-Jitsu e também praticante da nobre arte do Boxe.

Na opinião de Rogério, a luta atua como uma “terapia” e auxilia na sua verdadeira paixão, que é a Medicina. Com um trabalho bem estruturado em seu núcleo na luta contra a obesidade, na busca pelo bem-estar, Padovan falou dos principais desafios em conciliar suas funções como médico e atleta, já que também compete, atualmente no Jiu-Jitsu.

“Uma coisa que eu falo e é muito interessante: eu já vivi do esporte, e hoje eu vivo para o esporte. Não é fácil você ser médico, bater peso, cuidar de pessoas com obesidade, pessoas que estão doentes e que precisam de suas necessidades, e você também estar do outro lado da cadeira, passando seu conhecimento, mas também tendo que agir da mesma forma para ter resultado, e isso me ajuda muito na medicina, porque eu não falo apenas como médico, eu falo como atleta de alto rendimento, que tem esse objetivo de cuidar das pessoas que necessitam, e também me preocupar em cuidar de mim”, disse Rogério.

Confira a entrevista completa com Rogério Padovan:

– Trajetória na Medicina até os dias atuais

Eu me formei em Medicina em 2001, pela Universidade do Oeste Paulista e eu tinha um grande sonho na minha vida, de ser da Força Aérea Brasileira. Eu acabei prestando residência médica para cirurgia geral e prestei para as Forças Armadas, e acabei sendo aprovado nas duas instituições. Eu tranquei a residência de cirurgia geral, fui para Manaus e lá eu me tornei militar. Hoje, eu sou segundo tenente da Força Aérea Médica, me formei e foi uma das melhores experiências da minha vida, ser médico oficial da Força Aérea. Depois disso, fiz mais três anos de residência – cirurgia geral na Santa Casa, de Ribeirão Preto, e em 2005 eu fiz Nutrologia na USP. Depois, eu vim fazendo diversos cursos, graduações, fiz novamente Nutrologia pela Santa Casa de São Paulo, em 2013 e em 2015, eu fiz pós-graduação em Nutrologia Esportiva e em 2014, eu fiz outra pós-graduação, de medicina do esporte. Hoje, eu atuo como médico na área esportiva e de emagrecimento.

– Como conciliar a luta com a rotina de médico

Uma coisa que eu falo e é muito interessante: eu já vivi do esporte, e hoje eu vivo para o esporte. Sou faixa-preta 1º Dan pela Confederação Brasileira, pela Federação Paulista e pelo Estilo. Fui cinco vezes Campeão Brasileiro de Caratê, 8 vezes Campeão Regional, disputei jogos regionais, abertos, disputei seletivas para Mundiais e eu amo o que faço. Eu disputei Caratê até o sexto ano de Medicina. Fui para Ribeirão Preto, comecei o Boxe e lutei a Forja de Campeões, que é o maior campeonato amador de Boxe e sempre fui da luta em pé. Comecei no Jiu-Jitsu com o professor Tony Maneiro, na Checkmat, e em 2016, pela Black, fui campeão paulista de Jiu-Jitsu e em 2018 campeão paulista pelo Grand Slam de Abu Dhabi. Estou na faixa-azul 4º Grau e me considero um bom lutador (risos). Não é fácil você ser médico, bater peso, cuidar de pessoas com obesidade, pessoas que estão doentes e que precisam de suas necessidades, e você também estar do outro lado da cadeira, passando seu conhecimento, mas também tendo que agir da mesma forma para ter resultado, e isso me ajuda muito na medicina, porque eu não falo apenas como médico, eu falo como atleta de alto rendimento, que tem esse objetivo de cuidar das pessoas que necessitam. Mas eu sei também, na prática, o que é bater um peso, o que é se dedicar numa alimentação, o que é alto rendimento. Na prática, a teoria é outra, então você precisa saber que cada metabolismo e pessoa respondem de uma certa forma.

Rogério Padovan é médico e concilia sua profissão com a paixão pelas artes marciais (Foto reprodução)

– Núcleo Padovan de medicina especializada

O Núcleo Padovan é um sonho realizado e está na Zona Norte de São Paulo, na frente do Campo de Marte. É um núcleo em que temos uma medicina especializada. Nós temos profissionais da nutrição, educadores físicos, fisiologistas, que trabalham no condicionamento, na alimentação, em todo esse aspecto para o paciente, tanto para atletas de alto rendimento, principalmente para pacientes obesos, que emagrecem, ou pacientes que querem entrar em emagrecimento e, posteriormente, virar um atleta amador. Essa é a grande paixão da minha vida. Hoje em dia, eu tenho muitos atletas de ponta… Atletas olímpicos, do UFC, mas a minha grande paixão é o emagrecimento, é o paciente que busca um sonho de emagrecer e, posteriormente, começa a praticar esportes. Isso é uma coisa que estamos fazendo muito bem aqui no consultório. O núcleo, hoje, tem uma série de funções cardio-pulmonar, nessa parte de treinos, emagrecimento. É bem avançado.

– Artes marciais na luta contra a obesidade

Meu trabalho hoje envolve muito essa luta contra a obesidade, e o que as artes marciais podem ajudar nesse sentido? Quando eu falo em alto rendimento na hora do emagrecimento, eu não quero que um paciente meu corra 100 metros em 9 segundos. Quando eu falo em emagrecimento, é periodizar o treinamento e otimizar a alimentação do paciente, e há luta, sim… O paciente nunca fez nada, tem o estresse do dia a dia, de uma cidade grande, então a luta acaba sendo uma terapia para o nosso cliente, então a luta acaba sendo uma terapia com objetivo de emagrecimento. O paciente nunca praticou uma luta, me diz que nunca fez nada, então eu falo para ele fazer um Boxe duas vezes por semana, começar a ter uma atividade física. Se não quer fazer uma luta, então faz uma caminhada. Acredito que o mais importante, em tudo, é fazer o que gosta, mas a luta, em si, ajuda muito. Tanto a luta funcional quanto a luta em alto rendimento. O Muay Thai, Jiu-Jitsu e Boxe são muito importantes para a perda de peso do paciente, com certeza.

– Trabalho realizado com atletas de ponta

Em relação aos atletas de ponta, eu fiquei muito feliz que em 2016, nas Olimpíadas, eu tive o 4×100, o Gustavo Araújo é meu paciente e fomos campeões paralímpicos. O Éder Santos, nas Olimpíadas, foi semifinalista. Atualmente, no UFC, eu tenho o Johnny Eduardo, no Bellator, eu tenho a Talita Treta, que vai disputar o cinturão. Tenho muitos amigos que passaram comigo, amigos pessoais de treino, como o Fábio Maldonado, o Rogério Minotouro, Rick Monstro, Elias Silvério, entre outros, fora no MMA amador, o Edelson, no Boxe. Além de ser um médico, eu gosto muito, saio na mão com esses caras (risos), faço frente com eles. Para mim, a medicina é o meu amor e a luta é minha terapia.

Source: Tatame

Em ótima fase na carreira, Bia Basílio comenta estreia na Copa Podio e comemora: ‘É um prazer estar dentro’

Por Yago Rédua

Com o título do World Pro, no último mês de abril, e o ouro no Brasileiro da CBJJ, Bia Basílio ainda tem compromissos importantes nos próximos meses, como a Copa Podio. A faixa-preta da Almeida JJ vai desafiar a campeã Renata Marinho (Alliance), em um combate de três rounds. Vale destacar que a disputa acontece com quimono e No-Gi.

Em entrevista à TATAME, Bia, que vem e grande fase, comentou que espera sempre dar o seu melhor dentro do tatame e que o resultado acaba sendo fruto desse esforço realizado.

“Graças a Deus venho me superando a cada dia, a cada luta um aprendizado mesmo não importando o resultado. Sempre estou dando meu melhor e esperando que seja feita a vontade de Deus em minha vida. Estou muito feliz pelo convite do Jeferson (Maycá), presidente da Copa Podio e estou treinando muito para continuar dando meu melhor, pois é isso que importa, o resultado é apenas uma consequência. A Renata é uma atleta dura pra caraca, ô bixinha forte (risos), mas eu vou lá para dar o meu melhor”, comentou Bia.

//www.instagram.com/embed.js

Sobre a preparação, a faixa-preta afirmou que vai seguir o ritmo de treinos fortes e revelou o sentimento em fazer parte de um evento tão tradicional quanto a Copa Podio de Jiu-Jitsu.

“Uma boa oportunidade de fazer o que mais amo. E é um prazer estar dentro desse campeonato (Copa Podio). Acabando o Mundial na Califórnia (EUA), volto para o Brasil e os treinos não param para a Copa Podio, nada muda, pois logo em seguida volto para San Diego para lutar e, depois, uma luta casada em Minnesota”, encerrou.

Os ingressos para a Copa Podio, que acontece no dia 16 de junho, em Porto Alegre (RS), podem ser adquiridos através do site da organização, clicando aqui. Garanta já o seu!

SERVIÇO: 

Copa Podio – GP dos Pesados

Data: 16 de junho
Local: Porto Alegre, no Rio Grande do Sul
Ingressos: aqui

Source: Tatame

McGregor enviou carta de desculpas para Karolina Kowalkiewicz após ataque a ônibus no UFC 223

No UFC 223 K. Kowalkiewicz venceu Felice Herrig por decisão.
(Foto: Reprodução/Instagram Karolina Kowalkiewicz)

Em abril, durante media day do UFC 223 em Nova York, o irlandês Conor McGregor jogou um carrinho na janela de um ônibus no qual estavam os lutadores do evento em uma busca por Khabib Nurmagomedov. Com a agressão, alguns lutadores como Ray Borg e Michael Chiesa, ficaram feridos.

Veja Também

Ataque de McGregor força cancelamento de três lutas do UFC 223

Confusões de McGregor provocam mudanças no UFC 223. Saiba quem lutará no evento

UFC 223: Khabib Nurmagomedov espanta zebra, conquista cinturão e esnoba McGregor

Após o tumulo, McGregor divulgou as desculpas aos combatentes que foram afetados por sua violência. O irlandês enviou uma carta de desculpas a Karolina Kowalkiewicz. A lutadora afirma que não irá processar McGregor pelo ataque.

“Vi Conor McGregor bater nas janelas e, em seguida, vi Rose Namajunas chorando enquanto Pat protegia seu rosto. O rosto de Chiesa estava manchado de sangue. Meus treinadores me disseram para me esconder, mas eu queria ver o que estava acontecendo, mas eles me mantiveram sob os assentos. E é tudo, na minha opinião… Conor se inclinou um pouco, ele provavelmente percebeu o que aconteceu depois e escreveu uma carta de desculpas para mim. Não tenho intenção de processar ninguém. Crescendo em Lodz, vi coisas piores”, explicou Kowalkiewicz sobre o fato.

Karolina Kowalkiewicz venceu Felice Herrig por decisão no UFC 223. A polonesa tem um cartel de 14 lutas sendo 12 vitórias e duas derrotas.

McGregor provavelmente ficará fora de ação por algum tempo, pois enfrenta o impacto legal de suas ações no Brooklyn.

Source: Portal da Luta

Rose Namajunas quer lutar com Mackenzie Dern para testar seu jiu-jitsu

R. Namajunas disse que seria incrível colocar seu jiu-jitsu contra o de Dern. (Foto: Reprodução/Twitter UFCBrasil)

Mackenzie Dern enfrentou Amanda Cooper no card principal do UFC 224, dia 12 de maio no Rio de Janeiro. Em sua segunda luta pelo UFC, Dern finalizou Cooper com um mata-leão ainda no primeiro round.  A vitória de Dern foi ofuscada pela pesagem do evento, quando ela não conseguiu bater o peso da categoria que é 52,1 kg. Mackenzie ficou com 55,8 kg, 3,2 kg a mais.

Veja Também

Mackenzie Dern falha na pesagem do UFC Rio; Amanda Nunes sofre, mas bate o peso

VÍDEO: Assista a finalização de Mackenzie Dern no UFC 224

A campeã de peso-palha do UFC, Rose Namajunas em entrevista ao podcast do UFC Unfiltered afirmou que não está impressionada com Dern. Namajunas ainda falou sobre a dificuldade de Mackenzie em perder peso.

“Aquela mão direita que ela jogou parecia ser uma grande garota dando esse soco. Esse foi um golpe pesado e pesado, e foi de uma garota pesada. E para não dizer que esse não é o golpe dela e não é um soco perigoso, mas talvez isso tenha sido um pouco diferente se ela tivesse perdido peso ou pelo menos se esforçado para perder peso”, disse a campeã.

Namajunas quer testar seu jiu jitsu contra Dern, se ela se comprometer com o corte de peso. “Eu pensei que, além da questão do peso, eu achei que ela estava ótima. Eu sempre quis testar meu jiu-jitsu contra [alguém com a habilidade de Dern]… isso seria incrível. Ela só precisa juntar as coisas, e talvez isso esteja na estrada”, concluiu Rose.

Source: Portal da Luta

Mutante cita bom desempenho no UFC Rio para ‘justificar’ vaga no Top 15: ‘Mereço estar lá’; veja

Por Mateus Machado e Yago Rédua

Realizado no último sábado (12), no Rio de Janeiro, o UFC 224 teve como um dos principais destaques o peso-médio Cezar Mutante. Com uma ótima atuação, o brasileiro fechou o card preliminar e derrotou Karl Roberson ainda no primeiro round, após aplicar um justo katagatame, emplacando a sua segunda vitória consecutiva no Ultimate.

Com a moral elevada após o bom triunfo, Mutante, ainda no octógono, provocou seu mais recente rival, Paulo Borrachinha, chamando seu desafeto para uma luta, o que vem sendo bastante discutido nos últimos meses. Já em entrevista coletiva concedida depois, já com a cabeça mais “fria”, o mineiro pediu desculpas pela provocação ao compatriota.

“Acho que o negócio é deixar as coisas acontecerem naturalmente e eu até me arrependi do que eu falei no octógono, peço desculpas por isso. Vamos deixar o UFC casar a luta de acordo com o que eles querem”, disse Mutante sobre o desafio lançado a Borrachinha.

Confira a entrevista completa com Cezar Mutante:

– Boa atuação no UFC Rio e história de superação

Estou muito feliz com a minha vitória, com a minha performance, principalmente porque eu consegui fazer tudo o que treinei dentro da academia, e todos sabem o quão difícil é chegar aqui na frente da torcida, no seu país, e fazer tudo aquilo que você faz dentro da academia. Tem aquela pressão, você fica meio nervoso, e eu estou muito feliz porque eu consegui ser o Cezar. Então, mais do que finalizar, fazer uma luta boa, estou feliz por causa disso. Depois de tudo o que eu passei, das minhas superações, eu estive a ponto de me aposentar por conta de uma lesão na coluna. Todo mundo que vê o raio-X da minha coluna não acredita como que eu consigo fazer, até hoje, o que eu faço. Eu falo que sou fã da minha própria história, porque eu sou um cara abençoado por tudo o que aconteceu.

– Declaração sobre Paulo Borrachinha após a luta

Eu acho que já falei tudo o que já tinha para falar sobre isso (luta contra o Borrachinha). Acho que o negócio é deixar as coisas acontecerem naturalmente e eu até me arrependi do que eu falei no octógono, peço desculpas por isso. Vamos deixar o UFC casar a luta de acordo com o que eles querem, eles são mestres nisso, e eu estou à disposição.

– Elogios ao Karl Roberson, invicto até então

Foi muito difícil, porque ele é um cara complicadíssimo de se lutar. Apesar da luta ter parecido fácil, esse cara, para quem não conhece, estava invicto no MMA, é um nocauteador, nocauteou todas as lutas no primeiro round e é campeão mundial de Kickboxing. Eu fiz um trabalho muito bom de performance emocional com um coach, que trabalhou as minhas emoções para eu conseguir subir e deixar o meu subconsciente falar.

– Luta no UFC Rio a melhor atuação nos últimos anos

Eu creio que sim. Nos últimos dois anos, eu me mudei para a MMA Master e, de lá para cá, estamos invictos. Moralmente, foram seis vitórias seguidas, porque todos que assistiram minha luta no Canadá (contra Elias Theodorou, quando foi derrotado por decisão unânime) e entendem um pouco de luta, sabem que eu venci aquela luta claramente, então estou vindo de boas vitórias e acho que mereço o meu lugar no ranking da categoria, sim.

– Pedido para estar no ranking dos médios e próxima luta

Ele (Paulo Borrachinha) também está ali no meio, no Top 15, então eu acredito que mereço estar no ranking também. Eu estou bem, não me machuquei na luta, mas acredito que já falei o que tinha para falar. Agora é esperar o UFC marcar minha próxima luta, mas espero ter uma vaga para lutar na Fight Week, em Las Vegas (em julho). Quem quer ser campeão, precisa estar disposto a enfrentar qualquer lutador, a qualquer hora e lugar.

– Objetivo de chegar ao Top 5 com vitórias seguidas

Com certeza, esse é o meu objetivo. Eu tenho um mural na minha academia, e chegando em casa eu já vou fazer um “x”. Eu planejei três lutas para esse ano, está escrito o nome do Karl Roberson, então chegando em casa eu já vou fazer o x no nome dele, porque essa primeira etapa já foi concluída. Agora, eu quero fazer mais duas lutas esse ano, com duas vitórias, e ficar no bolo do Top 5. Esse é o meu planejamento, atingir esse objetivo.

Source: Tatame

Campeão no World Pro, José Carlos Cocó esbanja confiança: ‘Me sinto à vontade para lutar com qualquer pessoa’

José Carlos segue papando títulos – Foto: Vitor Freitas

José Carlos, o “Cocó”, é uma das estrelas da nova geração e promete fazer barulho no Campeonato Mundial 2018, que tem início marcado para o dia 30 de maio, em Long Beach, na Califórnia.  Animado com o seu desempenho nos torneios anteriores, como o título do World Pro, em Abu Dhabi, o faixa-preta da GFTeam não vê a hora de envergar seu kimono de competição para disputar a competição entre os pesos-galos.

“Eu estou muito confiante. Meus treinadores, amigos e familiares me passam uma confiança enorme e me sinto à vontade para lutar com qualquer pessoa. Essa viagem para Abu Dhabi foi sensacional pelo torneio e intercâmbio com outros atletas. Estou aprendendo a cada dia mais para continuar sempre surpreendendo a todos. Você deve confiar no seu potencial o tempo todo”, diz José.

José vem embalado na temporada e conquistou seu primeiro título mundial na faixa-preta no mês passado, em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes, quando destronou quatro oponentes pelo título no World Pro, evento organizado pela UAEJJF.

“Foi meu primeiro campeonato mundial como faixa-preta e chegar conquistando esse título foi sensacional, não tenho palavras para descrever esse meu momento. Fiz quatro lutas duríssimas, o nível estava bem alto”, comenta José, que ficou em primeiro do grupo até 56kg, no World Pro.

Nesta temporada, em 2018, José acumulou o título Mundial no World Pro, diversos Grand Slam da UAEJJ e opens da IBJJF.

O post Campeão no World Pro, José Carlos Cocó esbanja confiança: ‘Me sinto à vontade para lutar com qualquer pessoa’ apareceu primeiro em Portal do Vale Tudo.

Source: Portal

Lucas Pinheiro se junta à Atos Jiu-Jitsu após conquistar mais duas medalhas de ouro na temporada

Após vitórias no San Diego Open e no ACBJJ, peso-Galo acertou com time de André Galvão – Foto: arquivo pessoal

Lucas Pinheiro está de casa nova. O faixa-preta, vice-campeão Pan-Americano e bronze no último Mundial, é o novo reforço da equipe Atos Jiu-Jitsu, liderada pelo multicampeão mundial André Galvão. O acerto foi feito logo após o peso-galo conquistar mais duas medalhas douradas no último final de semana, quando venceu o San Diego Open e o ACB Jiu-Jitsu.

“Fui muito bem recebido na equipe por todos, tanto pelo atletas quanto pelos professores. Eles não tinham nenhum faixa preta no peso galo, e me disseram que eu seria uma boa adição para o time também. Escolhi a Atos porque queria ser parte de um time grande que me oferecesse o suporte que eu preciso no momento de um treino mais duro, já que a maioria dos meus alunos são pouco graduados e nenhum deles é atleta profissional. E eu sempre fui fã do Rafael Mendes e do André Galvão, então, poder aprender com eles diariamente, é um sonho pra mim”, disse Pinheiro.

Com as conquistas no último final de semana, Lucas já soma sete medalhas de ouro nesta temporada. Apesar do bom momento, o amazonense sabe que no Mundial o nível é mais alto e, por isso, não quer se iludir com os bons resultados que tem obtido nos campeonatos que disputou recentemente.

“Ganhar medalhas de ouro é sempre bom. Mas essas não garantem que também vou ganhar em nenhum outro evento. Muito menos nos eventos maiores como o Mundial. O nível de alguns atletas no mundial é muito maior, o que o torna muito mais difícil de ser vencido. Vou continuar focado e treinando duro para, se Deus quiser, esse ano garantir o título mundial”, avaliou.

O Mundial de Jiu-Jitsu da IBJJF, que será realizado em Long Beach, na Califórnia, começa no próximo dia 30 de maio. Lucas já está em San Diego e terá mais 15 dias pela frente para fazer a sua preparação para o torneio mais importante da temporada e buscar o tão sonhado título mundial.

“Vou ficar aqui em San Diego até o Mundial. Alguns dias antes vamos todos juntos para Los Angeles. A Atos é super organizada em tudo. Os treinos de competição são muito puxados, e a equipe ainda tem um preparador físico que alinha todos os treinos com os professores do time para chegarmos bem condicionado no campeonato. Tem sido porrada o dia todo (risos)”, encerrou.

O post Lucas Pinheiro se junta à Atos Jiu-Jitsu após conquistar mais duas medalhas de ouro na temporada apareceu primeiro em Portal do Vale Tudo.

Source: Portal