Ketlen Vieira acredita ser a próxima desafiante de Amanda Nunes e se analisa: ‘Minha evolução foi enorme’

Por Mateus Machado e Yago Rédua

Dona de quatro triunfos em quatro lutas desde que chegou ao Ultimate, o último deles contra Cat Zingano – última lutadora a derrotar Amanda Nunes -, no UFC 222, em março deste ano, Ketlen Vieira está embalada na divisão peso-galo feminino. Ao todo, a atleta da Nova União soma dez lutas na carreira, seguindo invicta com dez vitórias até agora.

Em entrevista aos jornalistas durante o UFC Rio, realizado no início de maio, Ketlen falou sobre o que almeja para a sua sequência na organização. Segundo a lutadora, natural de Manaus e hoje morando no Rio de Janeiro, ela merece ser a próxima desafiante ao cinturão da campeã peso-galo Amanda Nunes, que vem de vitória sobre Raquel Pennington.

“Com certeza eu mereço ser a próxima desafiante (ao cinturão). Se você olhar o ranking, eu sou a quarta colocada, a segunda é a Raquel Pennington (derrotada pela Amanda) e a terceira é a Juliana Peña, que teve bebê recentemente, então está fora. O meu objetivo está acima disso (lutar com uma brasileira ou americana). Eu preferia lutar com alguém que não fosse minha compatriota, mas faz parte e é preciso estar preparada”, afirmou Ketlen, atualmente a quarta colocada no ranking da categoria que tem a “Leoa” no topo.

Confira abaixo o resto da entrevista com Ketlen Vieira:

– Possibilidade de acontecer Amanda Nunes x Cyborg

Eu acho que eles podem sim marcar Amanda Nunes x Cris Cyborg e deixar o cinturão da categoria para quem quer disputar. A categoria peso-galo tem muitas lutadoras querendo disputar o título, atletas de qualidade, então não tem necessidade da campeã deixar a categoria para ir pra de cima. Se ela (Amanda) quiser sair, que saia e deixe o cinturão.

– Necessidade de mais uma luta antes do title shot

Quando a gente tem que ser campeã, a gente vai ser, independente do que aconteça. Se eu tiver que fazer mais uma luta, vou fazer. A minha equipe quer que eu luta diretamente pelo cinturão. Ganhei quatro lutas, sou merecedora disso, ganhei da única que venceu a Amanda, mas o UFC é quem tem que decidir isso. Se não for o cinturão e for coerente, aí a gente vê uma outra luta, mas minha equipe, treinadores, querem que eu lute pelo título.

//www.instagram.com/embed.js

– Evolução desde a saída de Manaus e vinda para o Rio

A minha evolução foi enorme. Muitas pessoas que estão de fora talvez não percebam, mas quem está do meu lado, acompanhando desde o início, o meu dia a dia, sabe que a evolução que eu tive desde que sai de Manaus e vim para o Rio de Janeiro é monstruosa.

– Referência e importância do Dedé Pederneiras

O Dedé (Pederneiras) foi o cara na minha vida, tanto profissional como pessoal. Eu devo muito a ele, é a minha referência. A gente (na Nova União) sabe que o esporte passa por fases, tanto que já tem a nova geração vindo no UFC, e lá não é diferente. Agora uma nova era está começando e tenho certeza de que muitos atletas da Nova União vão brilhar.


Source: Tatame

Marlon pede title shot após bater Rivera e atletas comentam confusão na arena

Realizado na última sexta-feira (1), em Utica, Nova York (EUA), o UFC Fight Night 131 coroou Marlon Moraes após o incrível nocaute do brasileiro sobre Jimmie Rivera na luta principal, em apenas 33 segundos. Quinto colocado no ranking peso-galo antes do duelo, o brasileiro deve ganhar posições importantes na busca pelo title shot depois do triunfo.

Em entrevista coletiva após o evento, Marlon comemorou bastante o resultado e destacou sua vontade de disputar o cinturão dos galos, hoje em posse de TJ Dillashaw. O brasileiro ainda se mostrou disponível para, caso seja necessário, entrar em ação no UFC 227, no dia 4 de agosto, quando Dillashaw defende o título em revanche contra Cody Garbrandt.

“Se precisar (substituir alguém), estou aí. Vou voltar para casa e treinar. Isso foi uma luta, e como disse, comparações constroem lutadores. Lutei com ele (Rivera) e, do jeito que venci, é assim que alguém que merece lutar pelo título deve se apresentar”, afirmou o brasileiro – que atingiu três vitórias consecutivas no UFC -, segundo o site MMA Junkie.

“Realmente não quero nenhuma outra luta. Eu quero lutar pelo cinturão. Definitivamente estou esperando. Eu quero ser campeão. É isso”, complementou o ex-campeão do WSOF.

https://platform.twitter.com/widgets.js

Diferenças só no octógono

A respeito da tensão que ocorreu entre Rivera, sua esposa e Ali Abdelaziz – empresário de Marlon -, registrada pela TV americana nos bastidores da arena, o brasileiro contemporizou, demonstrando respeito pelo americano, mesmo com as provocações.

“Fizemos o mesmo trabalho, não tem nada. Nós construímos a luta, todos queriam assistir e, graças a Deus, ganhei”, disse Moraes, que também recebeu palavras de apoio do rival.

“Não há tensões entre (Moraes) e eu. Não há tensão entre as equipes. Só seu empresário. Seu manager não para de falar besteira, mas faz parte. Vamos deixar pra lá”, respondeu Rivera em entrevista ao canal FOX Sports 1, também após o evento em Nova York (EUA).


Source: Tatame